Publicidade

Publicidade

20/02/2009 - 13:58

Vai que…

Compartilhe: Twitter

Não custa tentar…

Este acima é o comprovante de que eu tentei comprar um ingresso para a Copa de 2010 pelas vias oficias, ou seja, a loteria de ingressos da Fifa. Lembrando que para a Copa de 2006, eu fiz a mesma coisa. Não consegui nenhum ingresso por essa via (acabei indo pelo iG ao Mundial a trabalho e consegui ingressos por conta disso), mas sei de pelo menos quatro pessoas muito próximas que conseguiram comprar pelo site da Fifa.

A loteria de ingressos da Fifa é talvez a mais democrática das formas de se conseguir um ingresso. Tão democrática, que quase impossível. É só pensar no tanto de gente que ama futebol no mundo. Ainda que 95% não tenha condições de pagar uma passagem em 14 vezes (faltam 14 meses para a Copa) e comprar um ingresso de 80 dólares, os outros 5% são muuuuita gente e não cabe em estádio.

Passada essa corrida, vira um jogo de agências (oficiais ou não), com preços que elas resolvem colocar, muitas vezes atrelados a pacotes fechados. Este sim é privilégio para poucos endinheirados (bota menos de 1% daquele montante incial, fácil) que, convenhamos, pelo menos sabem onde gastar bem o dinheiro.

De esperança, para 2010, é que uma Copa na Alemanha gera um interesse gigantesco na Europa, pela proximidade entre os países e sobretudo por ser nas férias dos europeus (Frankfurt, por exemplo, onde Brasil e França se enfrentaram na última Copa, fica a 300km de Paris – um bate e volta de carro resolve). Na África do Sul, tudo fica mais difícil, até para quem tem euros para gastar.

Aqui vai o link do site (meio óbvio – fifa.com). Vou falar mais disso aqui ainda. Vou desenvolver muito mais esse assunto, que me fascina. Mas só garanto uma coisa: é caro, é difícil, mas ir a uma Copa é uma experiência que vale a pena. Muito além dos jogos de futebol ou dos estádios e dos craques. É uma experiência (multi) cultural inesquecível.

ps.: todas as porcentagens deste texto foram minuciosamente… chutadas (hehe). Não sei se 5% dos torcedores de futebol do mundo são classe A ou B. Até desconfio, pensando no fanatismo (e no salário) dos ingleses e alemães, que seja mais do que isso.

Autor: - Categoria(s): Futebol Internacional Tags: , , , ,
08/01/2009 - 13:28

Ingressos para a Copa do Mundo de …. 1970

Compartilhe: Twitter

Um tesouro passou pela minha mão em dezembro. Só passou mesmo e já está devidamente guardado numa cidade perto da capital paulista.

São todos (menos um e já explico) os ingressos dos jogos do Brasil na Copa de 70. A feliz proprietária deles, Melissa, ganhou os ingressos do avô, Zé Vaquero, falecido em 2008.

Zé Vaquero ficou viúvo muito cedo e resolveu, ainda na década de 70, não casar novamente (por opção, segundo a neta coruja) e unir duas de suas paixões: futebol e viagens.

E assim trabalhou para ir a duas Copas seguidas, a de 1970 no México e a de 1974 na Alemanha. Na Copa de 70, ele foi a todos os jogos. Guardou todos os ingressos, menos um, o da grande final.

O ingresso daquele lendário Brasil 4 x 1 Itália foi roubado do seu Zé Vaquero. A história de como ele sumiu é nebulosa. Outras pessoas que estavam com ele também perderam justamente o ingresso da final. Não está descartada a hipótese de que o roubo tenha acontecido dentro do gramado do estádio Azteca já que todo boleiro que se preza lembra da antológica invasão de campo após a partida em que jogadores como Tostão acabaram de cuecas pois até as meias foram arrancadas por um público mexicano em êxtase.

Melissa morou nove anos com o avô. Acompanhou de perto a sua paixão por esportes. Um dia, durante uma Copa (vista pela TV desta vez), ele foi buscar os ingressos numa caixinha. A neta, que é designer, ficou encantada por aqueles pedaços de papel. “Achei o máximo pois eles são lindos. Coisa de designer”, diz ela. “Ele percebeu que eu gostei e me deu os ingressos na hora.”

Gente do ramo diz que estes ingressos podem valer de 5 a 10 mil reais perto de uma Copa do Mundo ou em alguma comemoração especial da Copa de 70 (como os 40 anos do tri em 2010 em plena Copa da África). E teria um valor ainda maior caso o da final não tivesse sido roubado.

Mas Melissa avisa a quem interessar possa: “Não vendo de jeito nenhum. Tem um valor sentimental muito grande para mim.”

Autor: - Categoria(s): Seleção Brasileira Tags: ,
Voltar ao topo