Publicidade

Publicidade

02/04/2009 - 02:31

Brasil 3 x 0 Peru – fácil, fácil…

Compartilhe: Twitter

– 3 x 0. Meio sonolento. Mas 3 x 0. Boa vitória. Importante.

– O sono começou nas arquibancadas. Os cambistas passaram o dia tentando vender quilos de ingressos na Rua dos Andradas e toda a região central. Não venderam boa parte deles (bem feito) e o resultado foi o segundo anel vazio atrás dos dois gols (mais do lado do terceiro gol brasileiro).

– Luis Fabiano mostrou o faro do gol de sempre. Marcou seis gols já. Mas alguma coisa diz lá no fundo que ele não vai emplacar sempre. Não sei exatamente o motivo mas sempre parece que vai aparecer um Pato, um Nilmar, um Adriano, um Ronaldo e na última hora tirar o cara da jogada. Parece que não combina com o time, não parece à vontade às vezes. Ele me lembra o Alex, que arrebentou nas duas eliminatórias (2002 e 2006), capitão da Copa América e na hora da Copa foi preterido. A sorte dele é que até hoje não vi técnico mais coerente (teimoso?) do que o Dunga com o que ele mesmo pensa. Para o bem e para o mal. Mas isso é só uma sensação minha. Nem opinião, nem informação.

– Kaká voltou razoável. Mas não dá para comparar o que foi o jogo no Equador com o que o Peru se propôs a fazer no Beira-Rio. Júlio César, o melhor goleiro do mundo, quase foi surpreendido no segundo tempo na única vez que a bola chegou. Estava frio e desatento, provavelmente. Injusto até com Ronaldinho, apesar dele merecer uma reserva, pois não dá para comparar as duas situações de jogo.

– Uma coisa Dunga tem razão. O time tem 22 titulares mesmo. Essas duas rodadas foram mais do que prova. Entrou Kleber, saiu marcelo, entrou Daniel Alves, saiu Maicon. Entrou Josué, Elano, Julio Baptista. No final, parece tudo a mesma coisa, né? Mais uma vez: tanto para o bem quanto para o mal.

– Eu já tinha observado outras vezes, sobretudo durante o longo período em que fiquei na Copa América. Mas a velocidade com que o Daniel Alves chega na bola ou na marcação é algo impressionante.

– Por falar em rapidez, de tanto pedir Pato (a primeira vez foi aos 23 do primeiro tempo), a torcida convenceu Dunga a colocar o jogador. Ele e Ronaldinho. Bem, não foi o sonho da torcida a atuação dos dois, mas pelo menos matou a saudade da gauchada. Pato arremessou até as chuteiras para a torcida no final.

– Quando completou as duas substituições de Pato e Ronaldinho, Dunga experimentou uma sensação diferente. Teve seu nome gritado pela torcida. Mas, na coletiva depois, disse que não fez a votnade da torcida. Apenas precisava dar mais movimentação ao time.

– E o Felipe Melo, depois dessa jogada, deve ter carimbado seu passaporte para a Copa. Ele tem cara de ser aquela aposta do treinador, aquele ‘achado’ que só ele percebeu. Depois dessa, vai até o fim. Se bobear, titular. Veja pelo lado bom. Poderia ter sido o Afonso Alves. Independente disso, Felipe Melo está mais à vontade na Seleção do que o veterano penta Gilberto Silva.

– E o Kaká foi dizer que em uma semana melhorou mais do que em 3 no Milan. A comisão técnica brasileira ficou toda prosa. Esqueceram de fazer outra conta. Anderson, Maicon, Luisão e Marcelo com lesões musculares. O Brasil recuperou um e ‘estragou’ quatro.

– No final das contas, importante mesmo foi o resultado… da Bolívia. Se der para somar os 6 deles, virou goleada.

– E que saudades que eu tenho da arquibancada.

Autor: - Categoria(s): Seleção Brasileira Tags: , , , ,
31/03/2009 - 14:47

‘Kaká mandou, eu passei’

Compartilhe: Twitter

Algumas histórias são mais legais do que as outras. Na Granja Comary, Adryan, de 14 anos, e Rômullo, de 15 anos, completaram a Seleção Brasileira num treino. Um feito realmente incrível.

Algo parecido aconteceu em Porto Alegre. Junior do Grêmio, Thiago Santos treinou na lateral-direita devido ao problema com Maicon que levou Daniel Alves ser titular. Ao seu lado, simplesmente Kaká. Toda a imprensa noticiou. Ele deu entrevista para todos. O depoimento é legal, veja:

“Me apresentei a ele antes do treino. Falei meu nome mas não achei que ele ia lembrar. Aí, eu estou lá com a bola e ouço o Kaká, atrás, gritando: THIAAAAGO.. THIAAAGO!!! Passei, né? Obrigatório. É o Kaká pedindo a bola”, disse o jovem.

Jovem, mas nem tão garoto assim. Aos 20 anos, Thiago Santos é mais velho do que, por exemplo, Alexandre Pato, da Seleção principal e já praticamente um titular do poderoso Milan.

Na sua posição, inclusive, o Brasil tem Rafael da Silva, do Manchester United, que vem já atuando no time de cima em competições como a Champions League com apenas 18 anos.

A nova realidade do futebol brasileiro e mundial é assim. Dura. Infelizmente, para se chegar lá, as vezes não basta, aos 20 anos, ser das divisões de base de um clube gigante como o Grêmio que a carreira está encaminhada. Imagina a molecada em times menores.

Vamos ver se Thiago Santos vai guardar este momento para sempre na memória como seus 15 minutos(45 na verdade em campo + as entrevistas) e seguir outro caminho ou se um dia voltará a atuar com a camisa amarela. A chance é mínima, ainda que ele tenha cruzado melhor do que muito titular da Seleção durante o treino…

Autor: - Categoria(s): Seleção Brasileira, Sem categoria Tags: , , ,
26/03/2009 - 13:24

Pessoal à vontade nos bastidores da Seleção

Compartilhe: Twitter

O site da CBF, desde a última Copa, manda muito bem com fotos dos bastidores, jogadores nos vestiários, vídeos virais (o famoso de Ronaldinho humilhando Robinho).

Entre as fotos de ontem, porém, Marcelo do Real Madrid parece um pouco mais à vontade do que o normal, não?

Outras fotos de bastidores ontem, aqui.

Autor: - Categoria(s): Seleção Brasileira Tags: ,
05/03/2009 - 14:44

Douglas, 2009, lembrou Rinaldo em 1990

Compartilhe: Twitter

Sergio, Gil Baiano, Paulão, Adílson e Leonardo; César Sampaio, Donizete Oliveira, Cafu e Pelé; Charles e Rinaldo. Técnico Falcão.

E assim o Brasil entrou em campo em 31 de outubro de 1990 naquele Seleção Brasileira 1 x 2 Resto do Mundo. Jogo comemorativo dos 50 anos de Pelé, com ‘Ele’ jogando 43 minutos no primeiro tempo com a 10 que eternizou.

Pelé participou do jogo, fez uma ou outra jogada. Num lance que entrou para a história, Rinaldo, na época do Fluminense, partiu com a bola pela esquerda contra apenas um zagueiro e abriu-se um clarão para que rolasse para o meio onde Pelé vinha, sem marcação (talvez até de propósito), para fazer seu último gol na carreira.

Rinaldo não tocou e também não fez o gol. Procurei muito esta jogada pela Internet e não encontrei. Encontrei os melhores momentos do jogo (quem foi o editor que tirou este lance do compacto?????) no Globo Esporte, mas sem o famoso lance fominha de Rinaldo que todo o boleiro que viu este jogo jamais esquecerá.

Tudo isso para dizer que o clima, ontem, em Itumbiara, depois que o Douglas não passou aquela bola, foi mais ou menos o mesmo que o mundo sentiu em relação ao Rinaldo, que ‘curiosamente’ sumiu da seleção.

Separam Pelé e Ronaldo várias coisas, a começar pela idade no referido jogo, o momento que viviam (um aposentado há anos e outro tentando voltar), passando pelas contusões que um e outro sofreram (as de Ronaldo infinitamente mais graves), além das polêmicas fora e dentro de campo.

Une os dois as glórias pelo futebol brasileiro, títulos em Copas do Mundo, a fama de melhores do mundo cada um em sua época e um amar e odiar constante das falhas e virtudes destes dois seres humanos, sempre tão evidentes e polêmicos.

ps.: abaixo emprestei o vídeo com os ‘melhores momentos” daquela partida direto do Globo Esporte. Mas se alguém achar ou tiver guardado o lance do Rinaldo, por favor, mande nos comentários.

ps2.: Leia mais do Rinaldo no site do Milton Neves, onde estava a foto que ilustra este post.

Autor: - Categoria(s): Futebol Brasileiro, Seleção Brasileira Tags: , , ,
Voltar ao topo