Publicidade

Publicidade

22/06/2009 - 20:12

Um enigma ambulante chamado Muricy (ou futebol)

Compartilhe: Twitter

Agora você está ouvindo o seguinte:

– ‘Injustiça o que fizeram com o Muricy. A diretoria tricolor não sabe o que faz’

Mas você já ouviu, após os últimos títulos:

– ‘O sucesso do São Paulo é fruto da organização, da diretoria prestigiar o mesmo treinador há 3,5 anos. O resultado é claro. Está aí.’

Você também já ouviu:

– ‘O Muricy é o melhor treinador do país. Uma espécie de Bernardinho do futebol. Sabe treinar o time, sabe armar a equipe e principalmente sabe dar bronca em jogador mimado quando precisa. Deveria assumir a Seleção Brasileira’

Mas você já ouviu também:

– ‘Esse Muricy é muito retranqueiro. Só escala volante. O São Paulo joga feio há 3,5 anos. Nunca o São Paulo do Muricy me empolgou’

E você já leu:

– ‘O Muricy é um cara autêntico. Dos poucos no futebol brasileiro. Sem frescura ou politicagem. Um cara assim não se cria na corja de cartolas e empresários do futebol nacional.’

Mas também cansou de ler:

– ‘A grosseria com que Muricy trata os jornalistas e algumas das pessoas a sua volta é de uma deselegância revoltante. Alguém precisa dar um basta nas suas patadas’

Senhoras e senhores, este é Muricy Ramalho, tricampeão brasileiro de futebol.

Mas não é apenas Muricy que é assim. Este é o futebol. Ninguém especificamente inventou ele assim. Ele é assim. O que é bonito hoje, amanhã é feio (né, Keirrison e Hernanes?). O que não deu certo ontem, amanhã vai parar na Copa do Mundo (né, Felipe Melo e Doni?). Ronaldo, que é quem fala melhor no mundo do futebol hoje, é o dono da frase que melhor resume tudo isso: “cada gol que faço, fico mais bonito e um quilo mais magro”.

O Manchester United mantém Alex Fergunson como mandante supremo de seu time há mais de 20 anos. Isso inclui negociar jogadores, salário, falar com empresários, fechar patrocinadores – um absurdo para os padrões brasileiros de ética no futebol, diga-se. Mas Fergunson, cá, é visto como modelo de sucesso, continuidade e profissionalismo. O que não deixa de ser também, claro. Mas que também não impede que o time perca o jogo mais importante do ano para o Barcelona, que tem em Guardiola um estreante em sua primeira temporada como treinador (EXATAMENTE COMO DUNGA).

O São Paulo manteve 3,5 anos o Muricy no cargo e fez certo. Mas não podemos esquecer que o mesmo São Paulo contratou Paulo Autuori em abril de 2005 para que ele fosse campeão da LIBERTADORES apenas 4 meses depois.

Futebol é assim. Acontece para todos os lados. Melhor ser profissional e ter planejamento, mas saber atuar rápido e trocar suas peças em nome do resultado também é profissionalismo e planejamento. E nem tudo que é bom para o Manchester United ou para o Los Angeles Lakers – Phil jackson está há 4 anos na franquia nesta sua segunda e vitoriosa passagem. Antes já havia dirigido o time por cinco temporadas, além de ficar 9 anos a frente do Chicago Bulls – é bom para o São Paulo ou para o Botafogo.

Não vejo porque um técnico de futebol tenha que ter vida eterna para que um time seja considerado ‘profissional’.

Não é um cargo qualquer o dele como o de pessoas que passam a vida na mesma empresa. Ser técnico de um time grande de futebol é desgastante. Muricy teve muito mais sucessos do que fracassos, mas estava com a data de validade um pouco vencida. Sem criatividade para inovar nas suas formações (o São Paulo virou o reino dos volantes). Sem forças para motivar seus jogadores mimados. Sem tanta influência entre seus chefes (as pessoas esquecem que treinador tem chefe). E, o mais grave, passava a impressão de não ter mais um pingo de alegria enquanto trabalhava. Mesmo assim, tenho certeza que, como aconteceu no Beira-Rio e nos Aflitos, ele segue com a porta aberta e o carinho da torcida no Morumbi pelos ótimos serviços prestados.

Por isso, depois de pensar um pouco, não me filiei ao Partido dos Defensores do Muricy. Acho que estava na hora de partir. De conhecer novos ares, descansar um pouco e pensar na sua ranzinice crônica e galopante. Não que ele seja péssimo. Pelo contrário. Ele é um dos três melhores técnicos do futebol brasileiro e provavelmente 50 vezes melhor do que o Ricardo Gomes. Mas não é isso que está em jogo. Apenas não entro para o time dos ‘com pena’ do técnico e ‘com raiva’ da diretoria, que tem muitos outros problemas.

Muricy tem mercado e terá emprego quando quiser. Certamente não vai fazer parte da massa de desempregados que afeta nosso país. Ficará em casa se quiser, irá para o Catar se quiser, assumirá o Internacional se bem entender. E, amanhã, você ainda vai ouvir aquele repórter perspicaz perguntar na coletiva no final do jogo em que o time do Muricy bater o São Paulo:

‘Muricy, essa vitória é uma resposta sua para a diretoria do São Paulo?’

Esse é o futebol…

Autor: - Categoria(s): Futebol Brasileiro Tags: ,
28/05/2009 - 16:22

Direto da Arquibancada (quase): Cruzeiro 2 x 1 São Paulo

Compartilhe: Twitter

(Quase porque só tinha cadeira especial ainda na bilheteria. Então vá lá.)

– Tudo em relação ao Mineirão é especial. Grande e, quando cheio, espetacular. Aquela cobertura que pega parcialmente a arquibancada garante uma acústica que faz dos jogos lá provavelmente os mais barulhentos do Brasil. A torcida do Cruzeiro se inflama como quase todas as outras, mas a quantidade de gente e a acústica fazem dela especial.

– Antes, porém, a torcida sofre um pouco para chegar, pois o estádio é afastado do centro da cidade. Resultado: já que é longe mesmo e não pode vender bebida nos arredores, eles levam a festa pro estádio. Os carros vão parando pelos estacionamentos, as pessoas vão tirando bancos do porta-malas e até churrasqueiras em alguns casos. Lembra muito o que acontece antes dos jogos de futebol americano e de beisebol nos Estados Unidos. Piquenique ou churrasquinho no estacionamento para esquentar.

– Tudo só para esquentar, que fique claro, porque ir ao Mineirão e não comer o Tropeiro é como não ir ao Mineirão. Feito ali quentinho na hora no prato de plástico. Deixa tomo mundo ligadão para o jogo.

– Parentêses: as mulheres que frequentam o estádio na torcida do Cruzeiro não devem em nada às da Arena da Baixada ou o Beira-Rio. Fecha parênteses.

– O Mineirão está com dois belos telões, uma trás de cada gol. Mais legal ainda, os telões ficaram passando gols da final da Copa do Brasil de 2000 Cruzeiro 2 x 1 São Paulo, de virada. E cada vez que o Cruzeiro vira, no telão, a massa ia à loucura comemorando como se tivesse sido naquele momento. Reveja os melhores momentos deste jogaço de 2000.

– E então começa o jogo e…. caaaaiu o bandeirinha! Que cena sensacional. Exatamente a minha frente. Achei que seria substituído. Mas bandeirou no sacrifício (e acertou tudo).

– Kleber e Dagoberto. O que eu posso dizer desses dois? Eles vivem reclamando de perseguição da arbitragem brasileira. Aí chamam um juiz gringo para apitar. Desses que não fazem ideia quem é Kleber e quem é Dagoberto. Desses que deixam o jogo correr como os dois querem e não dão falta besta. Não deu nem 30 minutos de jogo e os dois já estavam amarelados.

– Um juiz caolho que apita futebol feminino no Vietnã daria cartão para Kleber e Dagoberto em qualquer jogo que eles venham a disputar. E eles reclamam de perseguição…

– E o intervalo chega com o Mineirão indo abaixo. O gol fez com que a torcida passasse os 15 minutos gritando e pulando.

– Dava até para ouvir o coro, tímido, de: ‘O Barcelona, pode esperar, a sua hora vai chegar!’

– O jogo começa ainda melhor no segundo tempo. O São Paulo vai para cima e Fábio mostra porque é considerado um dos melhores goleiros do Brasil. Quando o empate finalmente sai, a torcida do São Paulo, atrás do gol na geral, explode.

– O Cruzeiro não tinha na partida a habitual inspiração e, então, foi na força. Zé Carlos é chamado e a torcida aplaude. É a dose bruta para peitar Miranda, André Dias e o reino encantando dos volantes do MUricy (assunto para outro dia).

– O São Paulo poderia ter feito o segundo, mas sempre esbarrou em Fábio. O Cruzeiro foi, então, e fez. Festa do torcida. O mesmo resultado da final da Copa do Brasil 2000 e a vantagem do empate no Morumbi.

– O São Paulo também sai feliz com o gol fora de casa. Resta saber como será a volta…

Leia outros Direto da Arquibancada

Autor: - Categoria(s): Direto da Arquibancada, Libertadores Tags: , , , , ,
27/05/2009 - 18:13

Barcelona, adversário do Cruzeiro…

Compartilhe: Twitter

Calma, calma…

Isso é o que se diz aqui na metade azul de Belo Horizonte, palco do jogo Cruzeiro x São Paulo logo mais. Ninguém acredita que possa dar outra coisa.

Amanhã, então, este blog promete:

– Cenas direto da festa na cidade de Barcelona que ninguém viu (a verdade nua e crua);

– Impressões do Estádio Olímpico de Roma que só quem esteve lá sabe contar;

– Tudo.. mas tudo mesmo sobre o duelo do ano, entre Cruzeiro x São Paulo, direto do Mineirão;

– e uma fantástica história de chilenos loucos por futebol em… Porto Alegre, torcendo pelo Coxa contra o Inter

– E otras cositas mas…

Autor: - Categoria(s): Futebol Internacional, Libertadores Tags: , , , , , , ,
14/05/2009 - 16:41

Podia ser melhor que a Libertadores, mas ainda é a ‘Copinha’ do Brasil

Compartilhe: Twitter

O Barcelona está a um empate de ser campeão espanhol. Está também na final da Champions League. Nem por isso o time deixou de, na última quarta, entrar em campo para disputar (e vencer o Athletic Bilbao) a final da Copa do Rei, a Copa do Brasil deles.

O Manchester United está a um empate de ser campeão inglês. Está também na final da Champions League. Nem por isso, deixou de ser campeão da Copa da Liga Inglesa 2009 (a Carling Cup) na final contra o Tottenham. Mais ainda, foi para a semifinal da FA Cup, a Copa do Brasil deles, e perdeu nos pênaltis para o Everton.

Nas Copas nacionais europeias, é assim. Todo mundo joga, independente se está na Champions League, Copa da Uefa ou onde quer que esteja. Já aqui, no Brasil, aquela que deveria ser uma competição espetacular, vira quase de segundo escalão.

A Copa do Brasil sem os times que estão na Libertadores perde muito e vira a ‘Copinha’ do Brasil. Chega a ser patético imaginar que o São Paulo, para ter o título inédito da Copa do Brasil que falta na sua galeria de troféus, precisa dar um jeito de NÃO se classificar para a Libertadores um ano desses.

Como comemorar uma conquista tão importante se você não enfrentou aqueles que, teoricamente, são os 5 melhores times do Brasil (no atual caso São Paulo, Grêmio, Palmeiras, Cruzeiro e Sport).

Como explicar que o Sport, atual campeão, não pode defender seu título, pois está agora em ‘outro nível’, acima.

Com todos os times na disputa, num país como o Brasil em que existem muito mais equipes com tradição de títulos do que nos europeus, a Copa do Brasil, desde antes das oitavas-de-final, já seria um campeonato de nível muito maior do que a própria Libertadores, que na atual fase ainda reúne times como os fracos venezuelanos, por exemplo, em plenas quartas.

A CBF precisa dar um jeito de organizar o calendário e colocar todo mundo na Copa do Brasil, como era na época em que ela foi criada. Caso contrário, a Copa do Brasil seguirá sendo uma competição menor, um prêmio de consolação ou o ‘caminho mais curto para a Libertadores’.

Para aqueles que gostam da desculpa do calendário apertado, aqui vão alguns números interessantes.

Com o jogo de ontem, contra o Wigan, o Manchester United já completou 63 partidas na temporada 2008-2009. Vidic participou de 53 deles. Cristiano Ronaldo, de 51 e Tevez, de 49. Em oito meses. Ou seja, cada um deles jogou, em média, um jogo a cada 4 dias. Pelo clube apenas, diga-se, pois todos eles ainda defendem suas seleções nacionais.

Nunca vi nenhum deles reclamando. Pelo contrário, Cristiano Ronaldo deu um xilique no final de semana porque foi substituído e Tevez pediu para sair do time porque não é aproveitado como gostaria.

Autor: - Categoria(s): Libertadores Tags: , , , , , ,
11/05/2009 - 14:14

‘Poupar psicológico’ ou o golaço de Mano Menezes

Compartilhe: Twitter

Eu sempre sou contra poupar jogador por poupar. Se estiver sentindo algo, se estiver fora de forma, se estiver indo para o sacrifício, claro, faz sentido. Caso contrário, eu sempre acho que a sequência de jogos entrosa, dá ritmo e ajuda mais do que atrapalha. Ainda mais no futebol brasileiro onde as equipes são formadas de seis em seis meses.

Mas tem casos em que o ‘poupar’ pode ser bem interessante. Veja o caso do excelente técnico Mano Menezes na partida contra o Inter. Durante dois meses, só se falou do Inter. E com razão. O time está com um elenco tão bom, entrosado e voando, que será zebra (e decepção) se em novembro não for um dos clubes a disputar o título.

Já o Corinthians vinha com o peso da invencibilidade em casa nas costas. Viria, também, sem Ronaldo, seu ‘decididor’ de jogos desde que o bicho pegou pra valer (Paulistão e Copa do Brasil).

Fosse afoito, Mano Menezes escalaria seu time titular sem Ronaldo. Afinal, ganhar de um candidato ao título, em casa, é quase uma obrigação em campeonato de pontos corridos para quem almeja ser campeão.

O problema é que uma eventual derrota para o Inter com o time titular sem Ronaldo, poderia causar um desgaste psicológico muito maior do que perder 3 pontos na rodada inicial do Brasileirão. Poderia deflorar um sentimento que já existe, mas ainda não tão declarado: a ‘Ronaldo-dependência’. Ela chegaria com tudo na capa dos jornais e na cabeça dos esforçados jogadores do Corinthians, que certamente pensariam não ser capazes o suficiente.

Se era para ‘perder’, então, Mano Menezes deu o golpe de mestre. Não só poupou Ronaldo como poupou geral. Colocou o time reserva de vez e, de certa forma, desqualificou a vitória colorada. A ponto de 0 x 1 ter sido um resultado magro e, não fosse a pintura de Nilmar, hoje o comentário seria em geral o mesmo do zagueiro Jean, que ao final da partida disse que ‘o Inter não é tudo isso que tão falando’.

A manhã de hoje no treino do Corinthians não é de abatimento de André Santos, Douglas, Jorge Henrique, William, Chicão e etc. Eles não jogaram. Não se sentem menos do que ninguém. Ficam com aquele sentimento de que, caso estivessem todos em campo, poderiam vencer. No final das contas o Inter, poderoso, quase que não ganha do reserva do Corinthians. E, mesmo os reservas, se fortaleceram ao sairem do gramado com uma derrota, digamos, honrosa.

O grupo ganha. Não foi só Nilmar que marcou seu golaço no Pacaembu. Mano também.

Já o Muricy…

Alguém tem alguma explicação para o Borges não ter começado jogando depois de tanto tempo que o São Paulo não joga partida alguma?

Autor: - Categoria(s): Brasileirão Tags: , , , , ,
20/04/2009 - 17:11

Ronaldo, Inter, Washington, Bota, Manutd e o final de semana boleiro

Compartilhe: Twitter

– Como eu gostaria de cravar aqui que o Internacional é um dos favoritos ao Brasileirão. Não apenas pela aula de futebol contra o fraco Caxias ou pelo passeio que deu no Gauchão. Mas pela equipe mesmo que se apresenta (ainda que talvez tenha que vender Nilmar ou Taison para fazer caixa). O time titular é bom. Os reservas são de alto nível. Enfim, tudo para dar trabalho, mas…

– … mas acontece que no ano passado o time era forte também, eu apostei algumas fichas que seria um dos candidatos ao título e o time sequer brigou pela vaga na Libertadores. Então, este ano, o Colorado vai ter que me convencer mais. Muito além do Gauchão.

– Incrível como a máxima ‘tem coisas que só acontecem com o Botafogo’ é verdade. ‘Tomar’ um gol do jeito que ‘tomou’ (gol contra espírita, com a bola caprichosamente passando entre as pernas do zagueiro que estava embaixo das traves), depois do Americano, vai ficar (de novo) na história.

– E o legal do Campeonato Carioca é que vai ter um tri-vice. Resta saber se será Cuca ou o Botafogo. Uma briga muito boa, apesar de cruel.

– E aí o Ronaldo dá um pique de 36 km/h e ganha da tal melhor zaga do Brasil como se ainda tivesse 17 anos e jogasse no Cruzeiro. Tem coisas que só acontecem com… Ronaldo.

– O São Paulo passa a impressão de falta de vontade. Talvez de desgaste até de convivência (Dagoberto, Washington e Borges não conversam, não é possível). Pode ser só a época do ano, diga-se, já que o Corinthians começou a se preparar para o Paulistão ainda em 2008 enquanto o tri brasileiro descansou (com razão) por muito mais tempo.

– Pode ser também só um momento (ou alguém duvida que em novembro o time estará lutando pelo tetra brasileiro?), mas, às vezes, parece mais do que isso. Parece que o modelo anda meio esgotado. Escapou ontem de levar uma goleada em casa. E, mesmo no primeiro tempo, quando teve o domínio, praticamente não finalizou. Faltava perna (o que é normal) e até entrosamento (o que é absolutamente anormal em se tratando de um time que há tanto tempo joga junto).

– Não sei não. Mas desconfio que o time de Muricy passa pelo mesmo choque de personalidade de 2008. Enquanto teve Adriano em campo, o time foi um. Bolas alçadas na cabeça do Imperador, jogadas para ele concluir de onde fosse. Seja de cabeça ou com o pé, impondo sua força física, patada e habilidade acima da média do futebol brasileiro.

– Com Adriano, o São Paulo foi bem, mas perdeu o Paulista e a Libertadores. Ou seja, de um modo estranho, o São Paulo acabou sendo excelente para Adriano voltar a ser um protagonista mas Adriano não conseguiu, sozinho, levar o São Paulo aos títulos. Sem o Imperador, o time voltou a ser aquele de operários. Hugo é um importante operário e não entendo porque anda deixado de lado. Borges é o melhor dos operários do futebol brasileiro.Dagoberto foi importante, assim como todo o grupo. O eficiente São Paulo sem brilho que ganha todas.

– Me parece que Washington virou uma espécie de Adriano para o time, só que piorado, pois não tem o arranque, nem a força e muito menos a habilidade. Tem faro para marcar gols, mas precisa que o time esteja lá. Quando recebeu na frente dos zagueiros no clássico, perdeu todas. E quando ganhou, chutou sem força. Sua grande jogada, nos dois clássicos da semifinal, foi ganhar na cabeça o chutão dado pelo goleiro. Muito pouco.

– Outro que vem dando uma pipocada e não é de hoje é o Manchester United. Não conseguiu marcar um gol no Everton na semifinal da FA Cup e agora dá adeus a possibilidade de ganhar tudo na temporada. Tudo bem, dirá o outro, afinal, não se pode ganhar tudo. Mas eu acho que o buraco é mais embaixo. Como seu grande craque Cristiano Ronaldo, o time vem com dificuldades. Foi capaz de colocar em risco, em casa, a classificação para a Champions League. Foi preciso um pombo sem asas do próprio Ronaldo para sair da enrascada.

– Como sou fã do futebol que o Manchester United apresentou nos últimos 18 meses, torço para estar enganado. Mas a vontade do Chelsea em nítida melhora da equipe, a fase do Barcelona e de Messi e até o ‘desinteressado’ patinho feio Arsenal podem complicar e muito o todo-poderoso melhor time do mundo na Champions League. Sem contar a camisa do Liverpool no Campeonato Inglês.

– Falando em Europa, acho que agora ninguém mais tira o Milan da próxima Champions League. Muito boa notícia. Fez falta nesta temporada.

– E um ps final: passei duas semanas sendo chamado de santista, só porque achei (e acho ainda) que o meio-de-campo do Santos é mais habilidoso que o do Corinthians. Agora tem uns 250 comentários no post abaixo me chamando de palmeirense devido ao post em que comento o episódio Domingos x Diego Souza. Nos sete anos que este blog completa em 2009, isso já aconteceu com pelo menos uns 15 times. O mais inusitado foi uma vez que opinei que o Sporting era favorito contra o Benfica no clássico de Lisboa. Em massa, fui chamado de sportinguista nos comentários. E, claro, que meu palpite deu errado. Até de paranista já me chamaram. Viva o futebol.

Autor: - Categoria(s): Futebol Brasileiro, Futebol Internacional, Sem categoria Tags: , , , , , , , , , ,
22/01/2009 - 14:19

O jogo da minha vida

Compartilhe: Twitter

25 de fevereiro de 1987. Final do Campeonato Brasileiro de 1986.

Autor: - Categoria(s): Futebol Brasileiro Tags: ,
20/01/2009 - 09:36

Os NOVEs do Paulistão

Compartilhe: Twitter

É muito legal ter quatro atacantes de respeito num campeonato regional. Somando ainda Alex Mineiro no Grêmio, Obina No Flamengo, Leandro Amaral no Fluminense, Guilherme no Cruzeiro, Nilmar no Inter, Carlinhos Bala no Náutico, Fumagalli no Sport, entre outros matadores, promessa de vários gols pelo Brasil nos mais variados torneios.

Mas vamos aos quatro grandes paulistas.

Kleber Pereira – acho que tem todas as chances de ser o artilheiro do campeonato. Por dois motivos. Primeiro pela sua capacidade incrível de fazer gols. Segundo porque o Santos contratou na medida. Concentrou todos os seus esforços para contratar gente para auxiliar o matador. Lucio Flávio é um dos principais garçons do Brasil. Madson joga para o time e leva a bola para o ataque. Leo deixou saudades no país ao ser um dos melhores cruzadores de bola e apoiadores que já passou recentemente pela Vila. E os atacantes que chegaram, Roni e Bolanos, ambos, são segundo atacantes, daqueles que preparam mais do que propriamente fazem gols. Ou seja. Ano passado o Santos teve apenas um artilheiro. Este ano o Santos tem um time bom, que segue jogando para seu artilheiro.

Keirrison – Assista aos 21 gols que Keirrison marcou no Brasileirão do ano passado e, salvo uma exceção ou outra, verá que K9 é um matador. Não como Kleber Pereira, que faz gol de todos os jeitos, ou como Ronaldo dos grandes tempos, que criava seus próprios gols trazendo a bola e driblando. Keirrison tem uma característica própria: está sempre muito bem posicionado na área para não ter nada mais do que o trabalho de empurrar para o gol. Só que ele chega num time desarrumado. Se Diego Souza não funcionar, Keirrison não funcionará. Se os laterais não forem bons, Keirrison não funcionará. O ex-Coxa está longe de ser um salvador da pátria. Um Tevez, um Nilmar ou mesmo um França, que pode chegar. Keirrison cairia como uma luva num time armado como o do Santos ou mesmo o Flamengo, que tem dois laterais muito bons, um meio de passe primoroso com Ibson e Kleberson e um segundo atacante como Marcelinho Paraíba. Fora isso tudo, o Palmeiras não vive um bom momento geral. Muita pressão e uma Libertadores duríssima sem o bom time do ano passado. E talvez não seja a melhor hora de uma promessa ganhar status de salvador do time. Que o diga Diego Souza em 2008…

Washington – Todo ano é a mesma história. “O São Paulo precisa de um matador” ou ainda “Falta aquele camisa 10 no Morumbi”. Pois é… e todo ano o São Paulo é campeão. Nove por nove, o São Paulo teve durante um semestre o melhor disponível no mercado mundial na época. Adriano destoava tanto do resto do time do São Paulo, que até atrapalhou. Ele era muito melhor do que os outros. Fazia todos os gols praticamente, recebia todas as bolas. De tanto insistir em Adriano, o São Paulo acabou por sair de suas características. A bola saía dos pés de Rogério Ceni para a cabeça de Adriano. Jorge Wagner não tinha outra jogada a não ser alçar a bola na área para o Imperador disputar (e quase sempre ganhar) dos pobres e minguados zagueiros do futebol brasileiro. Fato é que o São Paulo fracassou na Libertadores. Muito mais do que isso, não jogou bem o semestre todo. Sempre dependendo do Imperador. Foi embora Adriano e os problemas acabaram. Borges voltou e com ele a solução. O São Paulo tem sim um matador. Chama-se Borges e faz gol de todos os jeitos. E é low profile. Nunca está em listas de possíveis contratações. Está sempre pronto a marcar e a ser solidário. Com ele, Dagoberto desencantou. Não é o Zico como achavam, mas faz sim o que o São paulo precisa e precisou nos dois últimos títulos. E o 10 é uma mistura de Hernanes com Jorge Wagner e Dagoberto, que funciona e muito. O time é 10. E agora ganha reforços na medida. Washington, no clichê da bola, chega para somar e dar uma opção de mudança de esquema para Muricy. Talvez para o Paulistão sirva bem, pois tem muito coração e raça. Mas jamais para ser titular absoluto. A base do tricampeão brasileiro tem preferência.

Ronaldo – Chegamos ao Fenômeno. O melhor dos atacantes de futebol que ainda está na ‘ativa’. O rei da superação, de marcar gols, de hipnotizar adversários, de enfeitiçar companheiros que vão fazer o diabo por ele. O mestre do marketing, do estádio lotado, da atenção da imprensa e o centro das discussões de futebol do planeta. Tenho certeza que com 10% do Ronaldo da seleção de 2002 (que nem era o melhor), já é suficiente. 30% do Ronaldo do Real Madrid basta também (sua média de gols em campo pelos Merengues é incrível). E 80% do Ronaldo do Milan (o que esteve em campo e teve boa média de gols e não o que se machucou e jogou tão pouco), basta para o Corinthians. Mas isso a partir de março, porque ele vai voltar, vai ter uma contusão muscular, vai parar de novo e só vai engrenar na reta final do Paulistão. A favor do Ronaldo, como de Kleber Pereira, um time que se apresenta muito bem montado e com um objetivo: dar bola pro Ronaldo marcar gols. O time é tão para o Ronaldo, que o Souza até lá vai cansar de marcar gols. Contra, os joelhos…

De qualquer forma, a movimentação do Pacaembu no sábado com o Corinthians e no domingo com o Santos mostra a empolgação e o interesse da torcida no Paulistão. Não será pouca coisa…

Autor: - Categoria(s): Futebol Brasileiro Tags: , , , , , , , ,
24/11/2008 - 02:46

Duas versões de um São Paulo tri(hexa)campeão

Compartilhe: Twitter

 

Durante o jogo Vasco 1 x 2 São Paulo, além da já habitual troca ferrenha de sms, recebi duas ligações são-paulinas totalmente diferentes, mas que mostra como é louco este tal do futebol.

Ligação 1
Nome (fictício): Peçanha
Profissão (fictícia): Violoncelista
Cidade (Fictícia): Porto das Flores
Idade (real): 56
Tempo: 32 do segundo tempo
Placar: Vasco 1 x 2 São Paulo

– Mauricio, eu estou impressionado com o São Paulo. Estão pedindo para perder.
– Impressionante
– Viu o gol que o Edmundo perdeu agora?
– Nem fale
– O Dagoberto dando drible da vaca! Eu tirava na hora.
– Pois é
– Esse estrelinha do Hernanes. Só sabe passar o pé em cima da bola. Está estragado já. Espero que esteja vendido.
– Incrível
– O Hugo está péssimo. Não é possível que o Muricy não tira o Hugo.
– Que coisa. E o Borges?
– Esses babacas estão boicotando o Borges. Ele fez os três gols naquele jogo e ainda roubou o gol do Zé Luis. O Hernanes, o Dagoberto, o Jorge Vagner e o Hugo não querem que ele vire o herói do título.
– Deve ser isso. Bom, vamos ver até o fim. Um abraço
– Desculpe o desabafo. Mas o time está pedindo para perder. E merece. Vou torcer para não virar.

Ligação 2
Nome (fictício): Ricardo
Profissão (fictítia): Óptico
Cidade (real): São Paulo
Idade (real): 22
Tempo: 38 do segundo tempo
Placar Vasco 1 x 2 São Paulo

– Mauricio, que time é esse?
– Impressionante
– Parece juvenil contra profissional, não?
– Nem fale
– Viu o gol que o Edmundo perdeu? Como é patético este Edmundo
– Pois é
– O Hernanes é um monstro. O Dunga é muito burro de não colocar ele de titular
– Incrível
– Quando o Hugo está em campo, tudo muda de figura. E pensar que a gente quase mandou ele embora.
– Que coisa. E o Borges?
– Não está muito bem hoje. Mas ao mesmo tempo, o Dagoberto está incrível. Correndo demais. Faltou o gol só. Espírito de equipe. Um jogou para o outro, né?
– Deve ser isso. Bom, vamos ver até o fim. Um abraço.
– Desculpe de incomodar aí na hora do jogo. Mas é que este São Paulo joga demais. O hexa chegou.

ps: aprendi a responder assim para os torcedores em transe e apaixonados no calor da batalha com o Tostão na Copa de 2006. Qq dia reproduzo este post de 2006 aqui.

 

Autor: - Categoria(s): Brasileirão Tags:
Voltar ao topo