Publicidade

Publicidade

12/03/2009 - 12:59

Direto da Arquibancada: estreou no Pacaembu o Ronaldo Futebol Clube

Compartilhe: Twitter

– Um milhão de reais de renda bruta. Joguinho de quarta-feira a noite com chuva. Esse Ronaldo…

– Primeiro ele empata um clássico no último minuto. Agora ele joga 75 minutos e marca o gol da virada.

– E o Twitter logo após o jogo era só gente assim: ‘Vi um gol do Ronaldo ao vivo’. ‘Pronto, agora já posso morrer. Vi um gol do Ronaldo no campo’. Ninguém precisava de mais de 140 caracteres para dizer se tinha ou não valido a penas pegar chuva no Pacaembu.

– Viu mais. Viu ele brincar com o banco, chutando a bola com violência antes de começar o jogo em cima deles. Viu Ronaldo perder um gol ‘que não costuma perder’, viu ele buscar a bola nas redes no momento do gol de André Santos.

– Viu Ronaldo, para dar um nó em quem, dia após dia, insiste em comparar a sua chegada com a de Garrincha, fazer um lance de Mané na intermediária de seu próprio campo, antes de emendar o três dedos mais lindo desta fraquíssima partida para o companheiro livre na ponta esquerda.

– Sobre a torcida do Corinthians que esteve ontem no Pacaembu, algumas considerações a se fazer. Primeiro que eu nunca vi tanto ‘não-corintiano’ vendo um jogo do Corinthians. Nem na época do Tevez, que juntava amantes de futebol de outras torcidas também, isso aconteceu.

– O resultado (e me corrija quem esteve, como eu, no Pacaembu e que habitualmente, como eu, vai ao Pacaembu) foi uma torcida mais quieta e tímida do que o normal. Seja pelo ingresso caro, que leva quem não vai muito ao estádio a conseguir a entrada, seja pela quantidade de são-paulinos, palmeirenses, santistas e afins lá presentes.

– O ‘Louco por ti, Corinthians’, que arrepiava a segunda divisão no ano passado, foi totalmente abafado pelo grito ensandecido de quando Ronaldo foi anunciado como titular no placar eletrônico 15 minutos antes da bola rolar.

– O ‘Não Para, Não Para’ não foi nada perto dos minutos de aplausos e gritos ‘desorganizados’ de Ronaldo, assim que o atacante meteu a bola para o gol no segundo tempo.

– Está inaugurado, goste ou não goste, o fenômeno Ronaldo Futebol Clube. Todo boleiro que se preza na cidade vai ver um jogo dele nestes próximos meses, independente do time. Flashes e mais flashes pipocavam das arquibancadas. Parecia noite de final de Champions League.

– Digo mais. Se o Corinthians quiser dar uma de Santos do Pelé, pode mandar jogo no Maracanã, no Mineirão, no Couto Pereira, em La Bombonera que vai lotar em todos os lugares (não mais apenas em Londrina ou Ribeirão Preto).

– Prova disso é que quando ele saiu, ainda mais com a chuva chata que caía, não foi pouca gente que foi embora, apesar do perigo iminente de um empate do São Caetano.

– A torcida do Corinthians vai ter que conviver com isso. E com orgulho, creio eu.

– Fora isso, o time do Corinthians ontem foi fraco, irritou a torcida várias vezes. Jorge Henrique corria feito doido, mas não conseguia encostar e fazer jogadas com Ronaldo. Douglas não acertava os passes. A entrada do Dentinho melhorou o jogo.

– Senti Ronaldo menos no jogo também. As vezes até meio longe, alheio. A própria comemoração do gol foi tímida (não que precisa ir para o alambrado toda vez, mas esperava mais animação pelo primeiro gol em casa). Talvez pelo adversário, talvez pelo cansaço, talvez pela facilidade dele, em marcar. Só espero que não seja falta de motivação (já). Fato é que, como sempre em sua carreira, Ronaldo sempre brilhará mais em grandes jogos.

Autor: - Categoria(s): Direto da Arquibancada, Futebol Brasileiro Tags: , ,
09/03/2009 - 01:04

A metade de Ronaldo ou a crise do futebol no Brasil

Compartilhe: Twitter

Não é de hoje que eu penso que o nível do futebol brasileiro está mesmo baixo. Vasculhe os arquivos deste blog e verá meus elogios a Ricardo Oliveira, Zé Roberto, Adriano, Nilmar e vários outros brasileiros em baixa na Europa que deram um tempinho de meses por aqui antes de voltar a tentar a vida em alto nível. Quase todos sobraram em campo (não estou falando dos que chegam já em fim de carreira).

Ricardo Oliveira talvez seja o mais emblemático dos casos. Aqui, fazia gol de esquerda, de direita, de cabeça. Era mais forte, mais ágil, ganhava as divididas e ainda era o mais habilidoso em campo invariavelmente. De volta à Europa, não emplacou no Milan, foi para o terceiro escalão do futebol espanhol no Zaragoza e segue no mesmo escalão, agora no Betis.

Então pense em Ronaldo. Ele é um gênio da história do futebol ninguém duvida. Mas nenhum louco seria capaz de discordar de mim que ele ainda não está em forma suficiente para ser um jogador de futebol profissional.

Mas aí começa sua participação de menos de 30 minutos no derbi e ele se transforma simplesmente no melhor em campo. Primeiro dá um drible no melhor marcador do Brasil, Pierre, que quase cai no chão (não sei se de emoção).

Aí, fora de forma, ele ganha no corpo de um cara forte como Jumar, e manda um chute inacreditável na trave. Mas o mais incrível foi a jogada pela esquerda. Primeiro pela facilidade com que pisou na bola e foi para a ponta esquerda, saindo na frente do adversário. Segundo pelo cruzamento, com a perna que não é a boa (se é que ainda tem alguma boa). Não é um cruzamento qualquer. É uma cavadinha, de leve, sensacional, como não existe por aqui.

Me corrijam, por favor, mas acho que nenhum jogador do Brasil, nem o Jorge Vagner, nosso principal especialista no assunto, costuma dar cruzamentos com esta categoria, ‘tirando o peso’ da bola, numa cavadinha. Quanto menos com a perna errada.

Aí vem o gol que, convenhamos, foi um momento muito mais de estrela deste predestinado jogador de futebol do que propriamente um lance genial.

E, então, o êxtase, a catarse. A felicidade de uma torcida de ter um verdadeiro protagonista do futebol mundial vestindo a camisa de seu clube. Uma coisa que não tem preço e vale mais do que três pontos.

Ronaldo ajuda a confirmar a minha triste teoria de que estamos a pé por aqui. Que nossos craques estão mesmo bem longe de nossos estádios e mais perto de nossos canais de TV a cabo (ainda bem que eles existem).

E Ronaldo prova que precisa apenas de MEIO tempo e MEIA perna. Dá e sobra. E dá até certo medo de pensar no que ele seria capaz de fazer em campo caso começasse a fazer apenas MEIA baladinha. Provavelmente bastaria, infelizmente, para que ficasse no Brasil apenas até o MEIO da temporada.

foto: Reuters

Autor: - Categoria(s): Futebol Brasileiro, Futebol Internacional Tags: , , , , ,
05/03/2009 - 14:44

Douglas, 2009, lembrou Rinaldo em 1990

Compartilhe: Twitter

Sergio, Gil Baiano, Paulão, Adílson e Leonardo; César Sampaio, Donizete Oliveira, Cafu e Pelé; Charles e Rinaldo. Técnico Falcão.

E assim o Brasil entrou em campo em 31 de outubro de 1990 naquele Seleção Brasileira 1 x 2 Resto do Mundo. Jogo comemorativo dos 50 anos de Pelé, com ‘Ele’ jogando 43 minutos no primeiro tempo com a 10 que eternizou.

Pelé participou do jogo, fez uma ou outra jogada. Num lance que entrou para a história, Rinaldo, na época do Fluminense, partiu com a bola pela esquerda contra apenas um zagueiro e abriu-se um clarão para que rolasse para o meio onde Pelé vinha, sem marcação (talvez até de propósito), para fazer seu último gol na carreira.

Rinaldo não tocou e também não fez o gol. Procurei muito esta jogada pela Internet e não encontrei. Encontrei os melhores momentos do jogo (quem foi o editor que tirou este lance do compacto?????) no Globo Esporte, mas sem o famoso lance fominha de Rinaldo que todo o boleiro que viu este jogo jamais esquecerá.

Tudo isso para dizer que o clima, ontem, em Itumbiara, depois que o Douglas não passou aquela bola, foi mais ou menos o mesmo que o mundo sentiu em relação ao Rinaldo, que ‘curiosamente’ sumiu da seleção.

Separam Pelé e Ronaldo várias coisas, a começar pela idade no referido jogo, o momento que viviam (um aposentado há anos e outro tentando voltar), passando pelas contusões que um e outro sofreram (as de Ronaldo infinitamente mais graves), além das polêmicas fora e dentro de campo.

Une os dois as glórias pelo futebol brasileiro, títulos em Copas do Mundo, a fama de melhores do mundo cada um em sua época e um amar e odiar constante das falhas e virtudes destes dois seres humanos, sempre tão evidentes e polêmicos.

ps.: abaixo emprestei o vídeo com os ‘melhores momentos” daquela partida direto do Globo Esporte. Mas se alguém achar ou tiver guardado o lance do Rinaldo, por favor, mande nos comentários.

ps2.: Leia mais do Rinaldo no site do Milton Neves, onde estava a foto que ilustra este post.

Autor: - Categoria(s): Futebol Brasileiro, Seleção Brasileira Tags: , , ,
26/01/2009 - 18:55

Entre o só e o apenas

Compartilhe: Twitter

Ronaldo sempre deixou claro que só volta quando estiver 100%. Foi coerente nesta fala desde o começo e não é de hoje. Nas outras contusões falou a mesma coisa.

Mas, como só fala disso no mundo, claro que correram para dar possíveis datas para o retorno do Fenômeno. Até algumas semanas atrás, o mais usual era SÓ em fevereiro.

2009 andou e domingo já é fevereiro. E obviamente Ronaldo não tem condições de jogo no final de semana. Mas um pouco demais também se a previsão de apenas em março, como leio em algumas notícias, se confirmar.

Ronaldo tem o tempo dele e todos respeitam. Mas o futebol brasileiro em 2009 também tem o seu. Espero que um não perca o bonde do outro.

Autor: - Categoria(s): Futebol Brasileiro Tags: ,
20/01/2009 - 09:36

Os NOVEs do Paulistão

Compartilhe: Twitter

É muito legal ter quatro atacantes de respeito num campeonato regional. Somando ainda Alex Mineiro no Grêmio, Obina No Flamengo, Leandro Amaral no Fluminense, Guilherme no Cruzeiro, Nilmar no Inter, Carlinhos Bala no Náutico, Fumagalli no Sport, entre outros matadores, promessa de vários gols pelo Brasil nos mais variados torneios.

Mas vamos aos quatro grandes paulistas.

Kleber Pereira – acho que tem todas as chances de ser o artilheiro do campeonato. Por dois motivos. Primeiro pela sua capacidade incrível de fazer gols. Segundo porque o Santos contratou na medida. Concentrou todos os seus esforços para contratar gente para auxiliar o matador. Lucio Flávio é um dos principais garçons do Brasil. Madson joga para o time e leva a bola para o ataque. Leo deixou saudades no país ao ser um dos melhores cruzadores de bola e apoiadores que já passou recentemente pela Vila. E os atacantes que chegaram, Roni e Bolanos, ambos, são segundo atacantes, daqueles que preparam mais do que propriamente fazem gols. Ou seja. Ano passado o Santos teve apenas um artilheiro. Este ano o Santos tem um time bom, que segue jogando para seu artilheiro.

Keirrison – Assista aos 21 gols que Keirrison marcou no Brasileirão do ano passado e, salvo uma exceção ou outra, verá que K9 é um matador. Não como Kleber Pereira, que faz gol de todos os jeitos, ou como Ronaldo dos grandes tempos, que criava seus próprios gols trazendo a bola e driblando. Keirrison tem uma característica própria: está sempre muito bem posicionado na área para não ter nada mais do que o trabalho de empurrar para o gol. Só que ele chega num time desarrumado. Se Diego Souza não funcionar, Keirrison não funcionará. Se os laterais não forem bons, Keirrison não funcionará. O ex-Coxa está longe de ser um salvador da pátria. Um Tevez, um Nilmar ou mesmo um França, que pode chegar. Keirrison cairia como uma luva num time armado como o do Santos ou mesmo o Flamengo, que tem dois laterais muito bons, um meio de passe primoroso com Ibson e Kleberson e um segundo atacante como Marcelinho Paraíba. Fora isso tudo, o Palmeiras não vive um bom momento geral. Muita pressão e uma Libertadores duríssima sem o bom time do ano passado. E talvez não seja a melhor hora de uma promessa ganhar status de salvador do time. Que o diga Diego Souza em 2008…

Washington – Todo ano é a mesma história. “O São Paulo precisa de um matador” ou ainda “Falta aquele camisa 10 no Morumbi”. Pois é… e todo ano o São Paulo é campeão. Nove por nove, o São Paulo teve durante um semestre o melhor disponível no mercado mundial na época. Adriano destoava tanto do resto do time do São Paulo, que até atrapalhou. Ele era muito melhor do que os outros. Fazia todos os gols praticamente, recebia todas as bolas. De tanto insistir em Adriano, o São Paulo acabou por sair de suas características. A bola saía dos pés de Rogério Ceni para a cabeça de Adriano. Jorge Wagner não tinha outra jogada a não ser alçar a bola na área para o Imperador disputar (e quase sempre ganhar) dos pobres e minguados zagueiros do futebol brasileiro. Fato é que o São Paulo fracassou na Libertadores. Muito mais do que isso, não jogou bem o semestre todo. Sempre dependendo do Imperador. Foi embora Adriano e os problemas acabaram. Borges voltou e com ele a solução. O São Paulo tem sim um matador. Chama-se Borges e faz gol de todos os jeitos. E é low profile. Nunca está em listas de possíveis contratações. Está sempre pronto a marcar e a ser solidário. Com ele, Dagoberto desencantou. Não é o Zico como achavam, mas faz sim o que o São paulo precisa e precisou nos dois últimos títulos. E o 10 é uma mistura de Hernanes com Jorge Wagner e Dagoberto, que funciona e muito. O time é 10. E agora ganha reforços na medida. Washington, no clichê da bola, chega para somar e dar uma opção de mudança de esquema para Muricy. Talvez para o Paulistão sirva bem, pois tem muito coração e raça. Mas jamais para ser titular absoluto. A base do tricampeão brasileiro tem preferência.

Ronaldo – Chegamos ao Fenômeno. O melhor dos atacantes de futebol que ainda está na ‘ativa’. O rei da superação, de marcar gols, de hipnotizar adversários, de enfeitiçar companheiros que vão fazer o diabo por ele. O mestre do marketing, do estádio lotado, da atenção da imprensa e o centro das discussões de futebol do planeta. Tenho certeza que com 10% do Ronaldo da seleção de 2002 (que nem era o melhor), já é suficiente. 30% do Ronaldo do Real Madrid basta também (sua média de gols em campo pelos Merengues é incrível). E 80% do Ronaldo do Milan (o que esteve em campo e teve boa média de gols e não o que se machucou e jogou tão pouco), basta para o Corinthians. Mas isso a partir de março, porque ele vai voltar, vai ter uma contusão muscular, vai parar de novo e só vai engrenar na reta final do Paulistão. A favor do Ronaldo, como de Kleber Pereira, um time que se apresenta muito bem montado e com um objetivo: dar bola pro Ronaldo marcar gols. O time é tão para o Ronaldo, que o Souza até lá vai cansar de marcar gols. Contra, os joelhos…

De qualquer forma, a movimentação do Pacaembu no sábado com o Corinthians e no domingo com o Santos mostra a empolgação e o interesse da torcida no Paulistão. Não será pouca coisa…

Autor: - Categoria(s): Futebol Brasileiro Tags: , , , , , , , ,
18/01/2009 - 22:02

Três do Pacaembu

Compartilhe: Twitter

1 – Fui ao Pacaembu só para ver a entrada de Ronaldo em campo e sentir a euforia da torcida (ainda que acabei vendo um time muito consistente para a temporada que começa). A torcida está muito eufórica. Claro que tem que separar o torcedor organizado do outro. O organizado gritou menos. Mas as câmeras (como estas no tobogã) eram todas apontadas ao Fenômeno, que é o rei da simpatia até aqui e, lógico, o grande ídolo da torcida.

2 – A torcida organizada, antes da entrada do elenco em campo no sábado contra o Estudiantes, gritou por um bom tempo: “Se o Corinthians não ganhar, ole ole olá, o pau vai quebrar”. Confesso que não entendi.

3 – Caiu muita chuva no momento do apito inicial. E durou quase todo o primeiro tempo, como todo mundo viu. Mas teve gente, veja nas fotos, que nem ligou.

Autor: - Categoria(s): Direto da Arquibancada, Futebol Brasileiro Tags: ,
05/01/2009 - 18:20

As propostas de Ronaldo

Compartilhe: Twitter


O livro Anjos Blancos (que já citei aqui alguma vez) narra muito bem como se faz e se negocia uma transferência envolvendo grandes estrelas do futebol.

Os sinais de fumaça, as entrevistas dos jogadores, agentes, familiares, os boatos, as notícias plantadas na imprensa.

Este jogo de empurra, admira, flerta, namora e casa é normal. Esquisito é quando, ainda que verdade, quem noticie estes encontros e desencontros seja o próprio jogador interessado. Não acho que combine com um craque do porte de Ronaldo, do Corinthians, por exemplo, ficar noticiando estas conversas em sua própria página oficial. Parece coisa de jogador desesperado.

Veja uma cronologia retirada de notícias do próprio site oficial do jogador. Eu não sei vocês, mas para mim site oficial é a voz do jogador na web. Está escrito lá, foi ele que disse. Então leia abaixo o que saiu da boca de Ronaldo desde outubro (copiado e colado):

20/10 – Ronaldo revelou ter recebido uma oferta de emprego de um clube italiano. Ele não entrou em detalhes, mas afirmou não se tratar do Milan, o último clube que defendeu.

20/10 – Manchester City e Paris Saint Germain vêm acompanhando de perto o progresso de Ronaldo, que deverá ter uma série de opções para escolher ao fazer o tão esperado retorno aos gramados.

29/10 – Apesar do interesse de diversos clubes das principais ligas da Europa, Ronaldo revelou que a sua preferência após recuperar a forma física é jogar pelo Flamengo, o seu clube de infância.

06/11 – Um certo número de clubes tem mostrado interesse em Ronaldo, que está se recuperando de uma lesão no joelho. O último clube a mostrar interesse foi o Italiano Série A Siena.

24/11 – É possivel que Ronaldo continue a sua carreira na Premier League Inglesa. “Além do Manchester City, que já demostrou o seu interesse publicamente, também existem três outros clubes ingleses interessados em Ronaldo,” disse o agente de Ronaldo, Fabiano Farah.

10/12 – Ronaldo está negociando a possibilidade de um contrato com o Corinthians.

11/12 – O atacante Ronaldo será apresentado oficialmente como o novo reforço do Corinthians para a temporada de 2009 na próxima sexta-feira.

Autor: - Categoria(s): Futebol Brasileiro, Futebol Internacional Tags: , , ,
Voltar ao topo