Publicidade

Publicidade

08/07/2009 - 19:44

As coisas que o dinheiro de Florentino não compra

Compartilhe: Twitter

Não tem como falar menos do Real Madrid do que o mundo todo está falando. Afinal, eles contrataram, de uma vez, os dois últimos melhores jogadores do mundo. Contrataram mais gente também, como o ótimo Benzema, o competente Albiol. E ainda querem mais gente, com Maicon fazendo parte da mais megalomaníaca das listas.

Gastaram tanto dinheiro que fica até difícil lembrar que cerca de 400 km do Santiago Bernabeu tem um timaço de futebol, campeão da tríplice coroa (Copa, Liga e Champions), na última temporada. Um time que talvez tenha uma ou outra baixa, mas que também está preparando contratações.

Time que tem o atual (e não passado) melhor jogador do mundo, Messi. Mas tem mais do que isso. Tem Xavi e Iniesta, o melhor meio-campo do mundo. E, finalmente, pelo menos nos últimos anos, o Barcelona tem algo que o Real Madrid não pode comprar.

O sentimento.

O sentimento de Xavi e Iniesta. A liderança e o amor de Puyol pelas cores de seu clube (mais do que um clube, como diz o slogan). Algo que Raúl representa em Madrid mas que, certamente, não terá mais tanto espaço no clube.

Algo que Kaká e Cristiano Ronaldo até podem desenvolver, mas que leva um certo tempo. Vão precisar de muito futebol para superar essa lacuna.

Não sou daqueles românticos, que acredita no amor à camisa puro e simples e acima de tudo. Acho que isso é uma coisa ultrapassada quando se pensa que jogar futebol também é um trabalho e o profissionalismo, em 90% dos casos, é mais desejável do que o amadorismo (no sentido amor mesmo da palavra).

Mas tem coisas que motivam mais do que as outras. E, no caso do Barcelona, com Messi por lá desde que ‘nasceu’ praticamente, com Xavi, Iniesta jogando o que jogam e ainda sendo de casa, e, sobretudo, a garra de Puyol, a motivação deve ser um grande obstáculo para o dinheiro de Florentino Perez.

Os três melhores jogadores do time e mais o capitão (que não é assim, digamos, um gênio da bola) só vestiram uma camisa na vida. Formados, criados e mantidos desde as canteras do FC Barcelona.

Para não deixar o fã do Real Madrid totalmente desanimado, eu termino com um vídeo daquela que promete ser a maior rivalidade de ‘sentimento’ da temporada. Cristiano Ronaldo e Puyol se degladiando na última final da Champions League. Parace que Cristiano já chega com uma boa briga comprada com o capitão catalão. Eu chamaria de um bom começo…

Autor: - Categoria(s): Futebol Internacional Tags: , , , , , ,
11/03/2009 - 11:28

Três da Espanha, duas de Portugal e uma da Argentina

Compartilhe: Twitter

Legal hoje são as capas de jornal graças a três eventos: a sapecada que o Real Madrid tomou em Anfield Road, a maior humilhação da história do futebol português em Champios League do Sporting e o abondono do ‘bebê-chorão’ Riquelme da seleção de Maradona.

– Aqui vão três da Espanha, dois de jornais madridistas/madrilenhos (Marca e As) e um do jornal culé/catalão Mundo Deportivo. Em todos, eu aprendi uma nova expressão, Chorreo, que pelo que apurei com alguns amigos de lá tem relação com água, sair pingando da água, mas também humilhação, deboche, covardia (outras interpretações bem-vindas nos comentários). Enfim, em bom português, o BANHO DE BOLA que o Real levou em Liverpool, apesar da excepcional atuação de Casillas.

– Duas de Portugal, que não precisam de tradução (5 vira, 12 ganha para quem quiser abrasileirar a genial chamada do Record).

– E o nosso bom e velho Olé, da Argentina, repercutindo, de novo, o fato de Riquelme abdicar da seleção, mas que desta vez não sabe direito se fica do lado de Maradona ou do lado de Roman.

Autor: - Categoria(s): Futebol Internacional Tags: , , , , , ,
10/03/2009 - 18:47

As goleadas e os amarelos na terça da Champions League

Compartilhe: Twitter

– Quando faltavam 30 minutos para acabar o jogo e o Sporting precisava de oito gols para se classificar para as quartas da Champions. Animador…

– Aí o Bayern ainda fez mais três. 0 x 5 em Lisboa. 7 x 1 em Munique. 12 x 1 no agregado. Maior diferença da história da Champions League.

– “Somos a vergonha da Europa”, diz no MSN meu caro amigo sportinguista. “Polga conseguiu fazer um contra e falhar em todos os golos. Nunca vi isso”, completou.

– O Liverpool cresceu para cima do Real Madrid (com uma mãozinha da arbitragem no começo… mas nada que mudasse a apatia blanca). 4 x 0. Adiós Real, que praticamente dá adeus também a uma das mais infelizes temporadas de sua história. Fora da Copa do Rey, com chances remotas na Liga Espanhola seis pontos atrás do Barcelona e humilhado com 5 x 0 no placar agregado contra o Liverpool.

– O Villarreal, que havia apenas empatado em casa com o Panathinaikos, ganhou na Grécia por 1 x 2. A Espanha terminou a terça com uma cor apenas na cabeça: amarelo. A amarelada do time de Madri em Liverpool e o amarelo valente do Villarreal na Grécia.

– Mas de tirar o fôlego mesmo foi Chelsea x Juventus. O jogo tinha sido um a zero para os ingleses na Inglaterra. A Juve logo abriu o placar numa belíssima tabela entre Trezeguet e Iaquinta, que marcou.

– Aí o Chelsea teve que ‘marcar’ três gols para valer um. É brincadeira, mas foram dois lances de bola que deu para ficar na dúvida se passou da linha ou não (a falta do Drogba eu achei que entrou e o chute do Lampard nitidamente não) até que no rebote Essien empatasse (foto Reuters).

– A Juventus, nesta altura, precisava de mais dois gols. Então entra ele em campo… Belletti. O homem, o mito da Champions.

– Mal entra e… Belletti mete as duas mãos na bola dentro da área. Pênalti para uma Juventus com um homem a menos. Del Piero marca e enche de esperança o estádio. Um golzinho apenas para a classificação.

– Mas nove minutos depois, ele, o homem, o mito da Champions, entra pela direita e cruza na medida para Drogba empatar o jogo e acabar com a festa italiana. Belletti, o predestinado da Champions, quase fez o terceiro, mas perdeu sozinho com o goleiro.

– O Chelsea do Guus Hiddink está classificado. Guus Hiddink, eu disse.

– Quarta-feira tem mais. Dois ingleses já passaram. Manchester United e Arsenal podem se classificar amanhã e tudo volta a ser uma grande British League novamente. Será?

Autor: - Categoria(s): Futebol Internacional Tags: , , , , , ,
19/02/2009 - 12:49

Sobrou a Alemanha…

Compartilhe: Twitter

Vamos convencionar aqui que as Ligas top europeias são inglesa, italiana, espanhola e alemã.

Na espanhola, o Barcelona simpelsmente tem 10 pontos de vantagem para o vice-líder Real Madrid. Não tem clássico ou fratura exposta de Messi (toc toc toc) que faça ter uma virada. Barcelona, campeão.

Na Itália, o tetra já tem dono. A Inter tem 9 de frente para a Juve e 11 para o Milan. Nem uma eliminação para o Manchester United na Champions é capaz de abater os comandados de Mourinho de forma a ameaçãr uma diferença dessa.

Na Inglaterra, teoricamente, a diferença é pequena. Cinco pontos separam o líder Manchester United do vice Liverpool. Mas a pergunta é: fosse um ponto a diferença, como fazer o Manchester United perder? O time vem num crescente incrível desde o Mundial de Clubes e se dá ao luxo de arrasar adversário por adversário mesmo com Cristiano Ronaldo em fase, digamos, discreta. Muito difícil virar, ainda mais com o clássico do segundo turno sendo em Old Trafford.

Então sobrou a Alemanha. Lá, o bicho está pegando. A diferença do primeiro (Hertha) ao quinto (Bayer Leverkusen) é de apenas 4 pontos. No meio deles, o surpreendente Hoffenheim, o ótimo Hamburgo e o tradicional Bayern de Munique.

Lembra bem um outro campeonato que começa logo mais, que este ano terá, entre outras atrações, Ronaldo e Fred. Um tal Brasileirão…

Ps.: fique ligado na Bundesliga no Blog do Alemão do iG.

Autor: - Categoria(s): Futebol Internacional Tags: , , , , ,
29/11/2008 - 15:36

Keirrison na capa

Compartilhe: Twitter

Vamos registrar aqui, afinal, não é todo dia que a camisa do Coxa é destaque principal digital do As, jornal presepeiro e genial da Espanha.

E o pobre do Vasco, sem Eurico e sem documento, que a princípio teria a sorte de não enfrentar um time fora de casa que briga por algo, vai encarar o Coritiba batido que realmente que não briga por nada, mas que tem um piá looooooooouco pra ser artilheiro do campeonato.

Uma esperança para o Vasco: o Keirrison não é nenhum Ronaldo, daqueles que pega a bola, dribla dois, chuta de esquerda e de direita e resolve. Muitos dos gols de Keirrison são de pênalti e a maioria daquele toquinho final, sem goleiro, de presença de centroavante matador. Então ele depende do time todo. Sempre. Vamos ver o que acontece no Couto Pereira neste domingo.

 

Autor: - Categoria(s): Brasileirão, Futebol Internacional Tags: , , ,
Voltar ao topo