Publicidade

Publicidade

14/10/2009 - 22:21

Uma noite em Wembley

Compartilhe: Twitter

– Os portões do estádio de Wembley ainda estão fechados quando o locutor oficial fala: ‘Este é um jogo que corre de acordo com as regras da FIFA e, por isso, não haverá venda de bebidas alcoólicas dentro do estádio. Sentimos muito.’

– Mais ou menos assim, pedindo desculpas, os portões do novo estádio Wembley, casa da seleção inglesa de futebol, se abriram para a última partida válida pelas Eliminatórias, contra a Bielo-Rússia.

– Um estádio impecável. Coberto para todos os torcedores (descoberto apenas no gramado), com cadeiras numeradas e capacidade para 90 mil pagantes. Acesso fácil, metrô tanto da Jubilee como Metropolitan lines.

– Dentro, propaganda intensa da campanha da Inglaterra para sediar a Copa de 2018. No telão, o tempo de jogo, o replay das jogadas, e os melhores momentos no intervalo. O futebol como ele deveria ser no estádio (ninguém perde nada).

– Sem álcool, mas com apostas. Legais, diga-se. Ao lado dos belos sanduiches (comi um cheeseburguer, batatas e refri por 7 libras – calcula aí que tô com preguiça), vários quiosques da Betfred. Como eu vou a fundo na blogagem, resolvi colocar 5 libras que Rio Ferdinand (criticado a semana toda) marcaria o primeiro gol. Calma que eu posso explicar. Essa aposta pagava 25 libras pra 1 libra apostada. Mas tinham várias outras, como a trivial quem vence o jogo. Ou qual será o placar. E as filas para jogar são maiores do que as para comer sanduíche.

– Enquanto isso, no som ambiente, claro, rock e pop. Do Killers do Muricy ao Michael Jackson. No telão, Noel Gallagher fala que você deveria jogar futebol. Sim, a FA, Associação de Futebol da Inglaterra, faz propaganda do esporte. E todos eles divulgam o amistoso contra o Brasil em novembro, ‘number one team in the world’.

O jogo: Inglaterra classificada para a Copa de 2010. Bielo-Rússia. Bem, a Bielo-Rússia, nunca fez mal a ninguém… English Team sem Rooney e Gerrard, seus dois principais jogadores. Mas com os locais do Chelsea Lampard e Terry, com o ameaçado Rio Ferdinand e com vários outros precisando mostrar serviço para Capello, como Barry, Agbonlahor e Crouch. A escalação, com o áudio oficial do estádio, aqui. E o hino do Jenson Button e do Lewis Hamilton, cantado pelo estádio todo, em outro áudio, aqui.

– E foi exatamente o trio que fez o primeiro gol. Passe do primeiro para o segundo que cruzou para o terceiro dar um carrinho e marcar. Perdi 5 pounds, mas vi a jogada mais legal do jogo.

– No banco, a sombra de David Beckham. No banco, exatamente, não. Capello mandou Becks aquecer aos 15 do primeiro tempo. Ele passou o primeiro tempo e o intervalo inteiro aquecendo. E… os 13 minutos iniciais do segundo tempo até entrar no lugar de Lennon. Deve ser o novo recorde (inglês) de tempo de aquecimento.

– Entra Beckham, ovacionado, pega na bola pela primeira vez e dá o passe para o segundo gol de Wright-Phillips. E, depois, um show de toques de bola refinados dele. O torcedor folclórico ao meu lado diz, impressionado e desanimado ao mesmo tempo, bem do jeito inglês, pela classe do jogador: ‘É triste, mas ele é o que temos de melhor ainda. Precisamos dele. É difícil admitir. Beckham, mais tarde, seria escolhido o jogador da partida. Por 50 minutos de aquecimento e 30 minutos de jogo. Impecável em ambos.

– Ainda saiu um terceiro gol, de Crouch, que vai acabar levando uma vaguinha de Capello assim. Capello que, em Wembley, fiuca numa área técnica solitária, longe do banco e dos assistentes. O terceiro gol fez a alegria do não lotado Wembley que recebeu ‘apenas’ 76897 pagantes (setenta e seis mil, oitocentos e noventa e sete). Aliás, detalhe, talvez pela classificação antecipada, tinha ingresso na semana do jogo para vender no site oficial (thefa.com/tickets) e retirar nas bilheterias.

– Segundo o policial, dos 77 mil (só somar os jogadores e a comissão técnica), mais ou menos metade iria embora de metrô (tube). Todos na mesma estação (Wembley Park), inclusive este blogueiro. E tudo correu na maior calmaria, com policias gentis, montados, pendindo calma que logo todos embarcariam nos trens extras enviados ao estádio. Meia hora depois do apito final, cerca de 22h30, eu já estava em casa (Wembley não é exatamente perto). Que horas começam os jogos da Globo no Brasil mesmo?

Autor: - Categoria(s): Futebol Internacional Tags: , , , , ,
08/02/2009 - 14:22

Milan x Manchester United: quem é que bate?

Compartilhe: Twitter

Falta para o Milan: quem bate? Beckham, Ronaldinho ou Pirlo?

Falta para o Manchester United: se for direto, Ronaldo.

Parece uma coisa besta, mas faz toda a diferença.

Ronaldinho não foi Ronaldinho à toa no Barcelona. Um time recheado de ótimos jogadores em campo para ele. O craque tinha tamanha liberdade para criar e errar que o acerto vinha com naturalidade, sempre decisivo, naquele que foi o melhor jogador em um clube que o futebol viu nos últimos 10 anos. Da mesma forma, Kaká foi o cara em 2007. O segredo é o time.

O Milan tem jogadores que encantam mas não (con)vencem. Confesso que tenho visto todos os jogos do Milan, pois os lançamentos de Beckham, as arrancadas de Kaká, os passes de Ronaldinho, as jogadas de Pato, a regularidade de Seedorf e Pirlo e a classe de Maldini são legais de assistir. É bom ver o craque sempre. Mas nada disso basta para que o time milanês vença.

Todos eles sabem disso e ninguém parece à vontade. Não me lembro de ver Ronaldinho tão tenso em campo. Carrinho com a perna levantada, reclamação a todo momento e muita frustração ao ser substituído. Beckham voltou a mostrar um futebol por vezes violento. Flamini, que parecia um meia de habilidade nos seus tempos de Arsenal, tenta incorporar em vão o Gattuso enquanto está em campo.

No empate contra a Reggina em casa, não seria exagero se Ronaldinho, Pato, Flamini e Beckham tivessem sido expulsos tamanha a falta de tranquilidade.

São os neo-galacticos. Muitos talentos desorganizados e cobrados, tendo que mostrar na base do carrinho que estão dando o sangue (e estão realmente).

Aí voltamos ao Manchester United. Um time está quase 24 horas sem tomar um gol na Liga Inglesa, onde lidera com fôlego de campeão. Mas não é o goleiro Van der Saar o líder desta estatística. Ele faz poucas defesas. O responsável pela invencibilidade dos Diabos Vermelhos começa por Tevez e Berbatov, que apertam a saída de bola. Passa pelos meias incansáveis e laterais e por uma zaga que, quando a bola, chega, é a mais segura e confiável do mundo.

Tudo para que a bola caia no pé de Cristiano Ronaldo, o astro do time, para ele dar uma de Ronaldinho do Barcelona e fazer o que sabe. E, se por acaso for falta perto da área ou pênalti, todo mundo já sabe quem é que vai bater, né?

Messi x Cristiano Ronaldo

Existe um outro time na temporada europeia com o mesmo perfil do Manchester United. O Barcelona está jogando por Messi e Messi está mostrando que é digno da confiança e muito mais. Será um duelo interessante caso aconteça. O time do Manchester é melhor que o do Barcelona. Mas Messi é muito mais genial e bonito de ver que o português…

Autor: - Categoria(s): Futebol Internacional Tags: , , , , , , ,
02/01/2009 - 13:50

Kaká, Beckham, Ronaldinho e os novos Galácticos

Compartilhe: Twitter

A galáxia saiu de Madri e voou até Milão. Antes, porém, uma breve passada por Dubai, onde o estrelado Milan faz uma (inter)temporada para dar o bote no segundo semestre do futebol europeu (Copa da Uefa e quebrar o possível e inédito tetra da Inter).

Eu não faço idéia qual time Ancelotti vai montar. Parece lógico que Kaká é o super titular. Ele e mais 10 como diz o comercial. Mas acho difícil o meio-de-campo não contar com um volante para substituir Gattuso (Ambrosini?), além dos tradicionais Pirlo e Seedorf. Kaká e Ronaldinho poderiam ser a linha de frente para que Beckham ganhasse uma quarta vaga no meio.

Essa formação com quatro meias e dois atacantes fatalmente colocaria no banco Pato, Shevchenko e Inzaghi. Mas me parece a que dá mais força a uma equipe que já sofre com o desgaste da idade de seus jogadores e não tem rendido tanto com três atacantes.

Meu time seria: Dida, Zambrotta, Senderos, Nesta e Jankulovski; Ambrosini (Emerson), Pirlo, Beckham e Seedorf; Kaká e Ronaldinho.

No papel, parece sólido e bom já que Becks, Pirlo e Seedorf também sabem marcar. O banco é excelente, o que é muito necessário num time dessa idade. Vamos ver se engrena.

Autor: - Categoria(s): Futebol Internacional Tags: , , , ,
Voltar ao topo