Publicidade

Publicidade
23/02/2010 - 17:04

A mandinga da camisa feia…

Compartilhe: Twitter

Já que o último post foi o comercial da linda camisa 2 da Inglaterra, agora a do Brasil. Não tanto pela camisa, que confesso que já vi melhores (e eu gosto mais da azul que da amarela geralmente), mas pelo filme. Muito bom, criado pela agência F/Nazca com produção da O2.

E um amigo me lembrou bem. O Brasil costuma ganhar com camisas de gosto duvidoso, pelo menos ultimamente. Em 1994, aquela horrorosa, da Umbro, toda sobreposta de logos. Em 2002, aquela com listras laterais, meio esquisitas, ao contrário dos belos uniformes de 1998 e 2006, todas as três já na era Nike.

Claro que gosto é gosto. Cada um tem o seu. Mas, para o meu gosto, faz sentido.

Pra quem acredita em mandingas, tem uma boa aí…

Autor: - Categoria(s): Seleção Brasileira Tags: , , , ,

Ver todas as notas

7 comentários para “A mandinga da camisa feia…”

  1. Rui disse:

    Gosto é gosto mesmo. Gostei da camisa e achei o filme meio longo, meio chato.

  2. O filme é sensacional. Dá até pra esquecer um pouco a feiúra da camisa (é a mais feia camisa da seleção brasileira de todos os tempos, na minha opinião).

  3. […] http://blogdebola.ig.com.br/2010/02/23/a-mandinga-da-camisa-feia/Já que o último post foi o comercial da linda camisa 2 da Inglaterra, agora a do Brasil. Não […]

  4. Miguel disse:

    Esse negócio de pai de santo dá um azar desgraçado, sem querer gorar

  5. woiski disse:

    era um pijama de bolinha amarelinha…

  6. O filme é longo mais interessante …

    Lendo o título deste post lembrei-me de uma frase daquelas proferidas pelos filósofos do mundo da bola:

    “Se mandinga fosse boa, o campeonato baiano acabaria empatado” … rsrsrs :-)

    Aproveito o ensejo e deixo uma dica de um novo lugar para discussão sobre futebol:

    ********************************

    http://www.planeta-bola.com

    ********************************

  7. Renato Amoroso disse:

    Valeu, Maurício! Suas pesquisas foram fundamentais para o projeto.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo