Publicidade

Publicidade
02/08/2008 - 22:24

Os primeiros GAPS o Brasileirão não esquece

Compartilhe: Twitter

O Campeonato Brasileiro vinha equilibrado demais. Era comum ver diferenças de um ponto do primeiro ao sétimo e times saírem e entrarem na zona de rebaixamento todas as rodadas. Parece que as coisas estão começando a mudar.

Aconteceu primeiro na quinta-feira. O Coritiba, que vinha ganhando geral no Couto Pereira, abriu o bico contra o líder Grêmio. Com isso, sua perseguição ao grupinho ali de São Paulo e cia arrefeceu e o Sport, novo (velho) sétimo colocado ficou a três inéditos pontos do sexto.

Começa a 17ª rodada e parece que o tal gap vem para ficar. O grande protagonista da vez é o glorioso Fluminense. Com a derrota em casa para o Inter (que segue ganhando dos ricos para entregar aos pobres), o time começa e termina a rodada na zona de rebaixamento. Se o Ipatinga vencer amanhã o Palmeiras, o Tricolor volta para a lanterninha.

Mas voltar a ser o lanterna não é o maior dos problemas tricolores. O problema é o GAP. Dois resultados normais de acontecer neste domingo (o Santos vencer o Coritiba na Vila e o Atlético-PR vencer o Botafogo na Baixada) deixam o time do Renato Gaúcho cinco pontos atrás do 18º colocado, seja ele o Náutico, seja o Galo.

Cinco pontos já começa a ser muito. Caso o Galo vença e o Vasco empate, seriam 7 pontos para deixar a zona de rebaixamento. Muita coisa para um campeonato que se aproxima da metade. Luz vermelha.

+++

Quem diria. Aos 39 anos de idade, Túlio Maravilha é ainda o maior artilheiro do Brasil. Jogando o Campeonato Goiano e a Série B pelo Vila Nova, ele tem 29 gols e figura ao lado de Kleber Pereira do Santos. Nesta tarde, fez nada menos do que quatro gols do seu time.

+++

Por outro lado, um atacante muito mais jovem e brilhante, Ronaldo, ainda não sabe o que fazer da vida em 2008 e sobretudo em 2009, quando deve voltar aos gramados. Fica aqui um vídeo de exatos 14 anos atrás do na época garoto.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo