Publicidade

Publicidade

Arquivo de junho, 2008

17/06/2008 - 14:36

Kaká e Ronaldinho…

Compartilhe: Twitter

No começo, essa mentalidade ‘dane-se’ para craque da nova seleção fazia todo o sentido. Ficamos muito decepcionados com Ronaldinho, Kaká e Ronaldo na última Copa, um trio que na nossa cabeça poderia reeditar grandes momentos da história do futebol brasileiro mas que naufragou apaticamente.

Veio o Dunga e fez a galera vibrar colocando Kaká e Ronaldinho no banco. Fazendo os caras ralarem. Elano, Mineiro, Josué, Gilberto, daniel Alves. Um monte de cara que corria que nem louco, que não tinha bola perdida e que parecia que tava lutando por prato de comida.

Kaká e Ronaldinho ainda, um ano depois, recusaram ir para a Copa América. Desrespeito com a verde e amarela e com o torneio de Hugo Chavez. Dunga manteve-se impávido e mesmo com um time ‘cabeça-de-bagre’, na raça, foi lá e trouxe o caneco humilhando uma Argentina recheada de craques na final.

Pois nesta quarta temos mais uma encruzilhada. Sem as estrelas, a Argentina pela frente outra vez. Vamos supor que ganhe de novo. E que ganhe as Olimpíadas também. A verdade é que sem as estrelas, a Seleção perde um pouco do brilho. O torcedor não quer viver de, a cada seis meses, uma vitória contra a Argentina (pq a freguesia deles já é notória). É ótimo ganhar deles, mas no resto do ano, fica meio chato.

Kaká está obviamente em campanha para voltar. Ronaldinho está fora dos planos da bola até aqui, mas certamente arrumará clube para jogar em agosto (qualquer coisa, meu time de pelada aceita).

Seria bom tê-los de volta. Para todos. Até para Dunga. Um time sem estrelas aumenta a responsabilidade do técnico. Perder da Venezuela com Kaká e Ronaldinho é culpa do Kaká e do Ronaldinho. Perder da Venezuela com Julio César, Lúcio, Juan, Maicon, Robinho, Pato, Diego, Elano, Luis Fabiano ou qualquer outro, é culpa do Dunga. Não é demérito para os jogadores. Pelo contrário – alguns são os melhores do mundo em suas posições e outros serão ainda. Não estariam na Seleção se não tivessem valor.

Mas Seleção Brasileira tem que ter aquele jogador mediático, aquele que chama a responsa, aquele que faz o adversário perder o sono, mesmo em má fase. Aquele jogador que quando acerta você dá um salto na cadeira de satisfação e escapa um ‘noooossa’ de canto de boca e quando erra você xinga e diz: ‘esse fulano só quer saber de dinheiro’ ou ainda ‘no clube ele joga, mas não é jogador de Seleção’.

Acho que está na hora… Só assim para o pessoal esquecer do Dunga. Só assim para o pessoal lembrar do Dunga.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
14/06/2008 - 15:29

Fernandão… 18 meses depois

Compartilhe: Twitter

Fernandão anunciou que deixa o Inter e vai para o Al Gharrafa do Catar, ganhar muitos dólares. Emocionado e tudo mais, claro, pois marcou época e fez história no Beira-Rio.

Cada um tem o direito de ir para onde quiser. Mas também tenho direito de lembrar uma passagem minha com Fernandão, exatamente 18 meses atrás, quando o Inter sagrava-se campeão do mundo em Yokohama.

Eu cobria o Mundial de Clubes direto do Japão. Um colega inglês que também cobria o mundial, logo após a final, pediu que eu traduzisse uma pergunta para Fernandão, sobre o que ele achava de algum rumor de que ele poderia interessar ao Tottenham de Londres.

Do alto da moral de sua faixa de capitão e do feito que acabara de conquistar, desbancando o Barcelona, Fernandão não titubeou. “O Inter tem uma estrutura invejável. Eu, sinceramente, só sairia hoje do Brasil para um clube top europeu”, disse, praticamente descartando o ‘pobre do Tottenham’, para satisfação geral dos gaúchos e brasileiros que ouviram a resposta.

Dezoito meses depois, Fernandão, com apenas 30 anos (idade ainda com certa distância do tal fim de carreira), vai para o Al Gharrafa, do Catar.

Cada um tem o direito de fazer o que quiser de sua carreira. E eu acho que o Fernandão tem muita bola ainda para jogar. Mas, enfim, fica aqui a historinha e tire suas próprias conclusões.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
13/06/2008 - 18:28

Holanda, Croácia e Portugal

Compartilhe: Twitter

Segunda rodada da Euro rolando solta e três classificados: Holanda, Croácia e Portugal.

A Holanda sem dúvida joga o melhor futebol da Euro. Fazer 7 gols e tomar apenas um dos dois finalsitas da Copa do Mundo não é pouca coisa. Fora os golaços.

Espanha, principalmente, e Suécia amanhã têm a chance de se manter 100% também. Com Alemanha, Itália e França no calcanhar das sensações da Euro, essas quartas-de-final prometem e muito!

Isso se a Holanda não ‘entregar’ para a Romênia e tirar Itália e França de uma só vez.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
11/06/2008 - 19:51

1958, o Ano que o Mundo Descobriu o Brasil

Compartilhe: Twitter

Assisti ontem ao filme com título acima, do diretor José Carlos Asbeg. O filme recria a Copa de 1958 através de depoimentos e imagens de jogadores e jornalistas que estiveram presentes naquele momento único do futebol brasileiro.

Para quem é boleiro, as imagens são as mesmas de sempre. Fora uma ou outra que não tinha visto ainda (como um impressionante gol de bicicleta de Mazzola anulado no jogo contra País de Gales), os golaços de Pelé, os dribles de Garrincha, a raça de Zagallo e o gênio de Didi lá estão.

Mas o filme tem uma particularidade que o torna obrigatório. Asbeg consegue contar a Copa do ponto de vista dos estrangeiros. Ele juntou depoimentos de Zagallo, Dino Sani, Zito, Moacir, Didi e Djalma e Nilton Santos com os depoimentos dos jogadores e jornalistas estrangeiros que lá estavam.

Tem jogador russo dizendo que não ia mais jogar bola depois de tomar baile do Garrincha. Tem o jornalista britânico explicando como os galeses iam anular o Brasil marcando Didi (e como marcaram!). Tem francês com chororô pela entrada de Vavá que fraturou a perna de Jonquet na semifinal, tem sueco e austríaco saudando a genialidade brasileira.

Por isso e também pela excelente montagem, que começa no jogo final e vai construindo os passos todos da Copa, o filme é emocionante. Você vai sendo tomado durante a exibição por um orgulho muito grande daqueles craques e entendendo (ainda mais) a façanha que eles alcançaram.

Vale como documentário histórico, mas também como entretenimento graças ao show que aqueles jogadores deram por onde passaram. O filme tem estréia marcada para Rio e São Paulo no dia 13.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
10/06/2008 - 20:12

Euro 2008 – Grid de Largada da primeira rodada

Compartilhe: Twitter

Tem estatística que é mala. Mas tem estatística que deixa você (eu) viciado no ato. O site da Euro 2008 tem um tal de Castrol Performance Index que traz tudo quanto é índice de performance de jogador, time, partida e tudo mais.

Hoje eu descobri que eles medem a velocidade do jogador (e não apenas a distância percorrida, que já era corriqueiro em transmissões da Champions League). É como se fosse o maior pique dele no jogo ou, como na Fórmula 1, a maior velocidade de reta alcançada.

Pois vamos aos mais rápidos da primeira rodada.

Primeira Fila tem um empate

1 – Vasilis Torosidis, o 15 da Grécia, que correu a 31.11 km/h
2 – Nihat Kahveci, número 8 da Turquia, que alcançou 31.11 km/h

Segunda Fila

3 – Miroslav Klose, artilheiro da Alemanha, com 30.86 km/h
4 – Nuno Gomes, capitão de Portugal, com 30.81 km/h

Terceira Fila

5 – Emre Belozoglu, 5 da Turquia, com 30.77 km/h
6 – Dirk Kuyt, o incansável holandês, com 29.8 km/h

‘A título de’ (quem inventou essa espressão horrorosa e por que estou repetindo?) curiosidade, Usain Bolt, novo recordista dos 100 metros rasos, alcançou uma velocidade máxima durante o recorde que supera por pouco os 40 km/h. A diferença é que ele corre 10 segundos e depois vai pra casa. Nosso amigo Torosidis correu 90 minutos.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
09/06/2008 - 15:07

Euro, Libertadores, Copa do Brasil e Brasileirão

Compartilhe: Twitter

Euro

A Euro começou e eu adoraria apostar em Portugal. Na verdade, estou torcendo por eles. Mas sempre que Itália e Alemanha estão em alguma competição, são favoritos. E a Alemanha já começou mostrando futebol, ao contrário de Portugal que sentiu o peso da estréia. Outra que sentiu foi a França. Mas da França eu não falo mais. Quem lembra do meu blog na Copa do Mundo, lembra que eu chamei a França de segunda maior decepção da Copa na primeira fase (a primeira era o Crouch não ter feito a dança do robô no gol que marcou). Deu no que deu. A França eliminou o Brasil, Portugal e só parou na Itááááália. De qualquer forma, as tardes de hoje até a final serão animadas.

Libertadores

Vai, Flu! Faltam dois jogos. Os dois mais perigosos de todos, diga-se, já que não tem favoritismo do adversário. Mantém a pegada, a cabeça no lugar (viu, seu Tiago Neves!) e ‘vamos’ ganhar essa.

Copa do Brasil

O Corinthians tem uma vantagem razoável. Do jeito que o time vem jogando bem, difícil imaginar que não marque um gol sequer. Ao mesmo tempo, o Sport está com uma pegada que não é brincadeira em casa. Inter e Palmeiras que o digam. La Macaxeira vai ferver na Ilha do Retiro. E só os fortes sobreviverão. Eu não sou louco de dar palpite. Mas eu não vou me surpreender se acontecer uma espécie de GP do Canadá (a famosa corrida maluca). Com Sport fazendo 2 x 0, depois o Corinthians diminuindo, o Sport fazendo o terceiro, o Corinthians fazendo o segundo e o Sport o quarto e aí o pessoal já morreu do coração na frente da TV.

Brasileirão

Flamengo começou o Brasileirão como terminou ano passado. Sem dar chance ao azar. O torneio é muito longo, mas 12 pontos de vantagem, por exemplo, para o Fluminense, já é uma diferença razoável. Faz todo sentido o Fla seguir liderando. Afinal, o time foi muito bem nos últimos meses todos, salvo na fatítida noite contra o América no Maracanã.

Mas legal mesmo do final de semana foi mesmo o pênalti para o Atlético-PR e a falta em dois lances do Cruzeiro. Sinceramente, concordo com as duas marcações. Como foi contra o Vasco, o do Cruzeiro virou polêmico. Mas o goleirão nitidamente rebateu de propósito a bola para ganhar um tempinho. Essa brechinhas das leis ‘anti-cera’ são irritantes. Como quando o zagueiro levanta a bola na cabeça para recuar de propósito para o goleiro. Se eu pudesse, marcaria recuo de bola nestes lances também.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
03/06/2008 - 23:14

2 semanas depois, 1 certeza: não existe futebol sem Internet

Compartilhe: Twitter

Sou um ET do futebol. Estou por fora. Fiquei duas semanas em férias da Internet. Li jornais quase que diariamente e vi alguns jogos. Mas não é a mesma coisa.

Confirmei algo que eu já desconfiava. É impossível viver o futebol sem a Internet. Está dominado. Aqui que o bicho pega. Ler um texto jornalístico mas não poder comentar é como chupar bala com papel. É desesperador saber que seu time contratou alguém novo e você não pode dar um google para ter alguma referência dele. Como assim não é clicável? Coisa mais enfadonha.

Não existe mais futebol sem a opinião dos blogueiros, principalmente os amadores, que torcem para os times descaradamente. Não existe futebol se você não pode deixar seu comentário quando discorda.

Não existe futebol sem aquele link com o vídeos dos gols, os vídeos das torcidas ou mesmo os links de sacanagem. Que jornal poderia publicar aquela foto-montagem tosca, feita em casa e politicamente incorreta? Aquela animação em flash que roda de email em email.

Futebol é o nick do MSN no dia seguinte à eliminação daquele time que todo mundo odeia da Libertadores ou é a foto do escudo no profile do facebook com orgulho do cara que, mesmo sendo zoado na segunda divisão, ainda mantém o apoio.

É isso. Futebol AGORA é isso. É muito mais legal. É assim que o novo mundo caminha. Assim e com sites tipo rojadirecta.com, OleOle, youtube. Nas comunidades do orkut, no digg.com, nos fóruns, nos sites de torcidas, nos flickrs, no twitter e etc.

Acompanhar futebol com a Internet por perto é como ter no sofá de casa todos os seus amigos e inimigos reunidos, mais o PVC.

E tem gente que ainda acha que o futebol antigamente era melhor… arrã.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
Voltar ao topo