Publicidade

Publicidade
30/06/2008 - 15:38

(L)OS DROPS D(E L)A EURO

Compartilhe: Twitter

ESPANHA – A Espanha é campeã. Com muitos méritos. Ainda bem que não apostei meu dinheiro na Alemanha.

ZEBRA? – Eu confesso que acho super esquisito ver a Espanha campeã. Foram anos e anos vendo o time sempre perder. Estranhamente, talvez pelo Real Madrid e pelo Barcelona, a Espanha sempre estava entre os favoritos. Pois, para mim, não seria exagero chamar a Fúria de uma agradável surpresa. Zebra, talvez demais. Mas surpresa, sim!

O MEIO ESPANHOL – Fabregas cresceu na semifinal. Na final, foi tímido. Xavi cresceu muito nos dois últimos jogos. Iniesta e Marcos Senna, monstros. Em regularidade, foram os dois melhores da Euro. Cada um na sua.

MARCOS SENNA – Ele vale uma notinha. O cara detonou no torneio inteiro, anulou o Ballack de um jeito que se eu fosse o Fergunson, o Wenger ou o Benitez, eu contratava só para os clássicos contra o Chelsea. Fora isso, é muito legal ver um brasileiro, negro, volante, sério, se dando bem na Espanha. E quase que ele marca um golaço no finalzinho. Deu até vontade de torcer para a Espanha uma hora que a TV mostrou a família dele reunida vendo o jogo. Mas passou…

XAVI TAMBÉM MERECE – Ele jogou 367 minutos e correu mais de 48 km na Euro. Mais do que uma maratona inteira. Alcançou também a velocidade máxima de 26 km/h. Fez um gol importante, deu a assistência do título. Xavi foi o Xavi de antes do Barcelona virar galáctico.

O GOLEIRO ESPANHOL – Casillas brilhou demais nas quartas. Não precisou se preocupar na semi e foi firme o suficiente na final, sobretudo nos primeiros quinze minutos da Alemanha, o único momento em que estiveram em campo.

FERNANDO TORRES – Ele foi razoável a Euro inteira. Mas o cara que foi o melhor atacante de ofício da temporada ao lado de Ibrahimovic na minha opinião (Ronaldo eu ainda considero meia-atacante) tinha que surgir na HORA H. Hora F, na verdade, F de Fernando. Gol na final, gol do título. Correu mais que Lahm, chegou antes de Lehmann. Golaço.

NANANANANANA – Aliás, para quem gosta dessas coisinhas, baixe a música que rola na internet do Torres. Gruda.

ESPANHOLAS – E corre a lenda que espanholas do primeiro time visitaram as concentrações russa e alemã nas vésperas dos jogos. Não é verdade, mas seria a minha explicação favorita para a apatia e a falta de perna do adversário da semifinal e da final.

UNIÃO DAS EUROPÉIAS – Mas nem só de espanholas viveu a Euro. Clique no link e veja você mesmo. Vamos sentir saudades.

NA TRAVE – E a minha Alemanha bateu na trave de novo. Vice na Copa de 2002, 3a. na Copa de 2006 e vice na Euro de 2008.

LOW PRESSURE – Legal é que o cara é vice da Euro e ninguém está nem aí. O técnico está prestigiado. A Alemanha tem a camisa tão pesada quanto a de Brasil e Itália, mas a mentalidade futebolística da Venezuela. Qualquer coisa, está bom.

ARSHAVIN? – Sou mais o Torres. O jogador do torneio. Perto dele, Iniesta e Scweinsteiger, o monstro! Tá bom, depois vem o Arshavin.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

1 comentário para “(L)OS DROPS D(E L)A EURO”

  1. Vinícius disse:

    Arshavin não é nada
    é jogador passageiro

    craque?
    faça-me rir..

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo