Publicidade

Publicidade
17/01/2008 - 01:36

Homens de Peito

Compartilhe: Twitter

O trocadilho pode parecer infame, mas não é. A Copa da África de Seleções começa na próxima semana, domingo, reunindo as 16 melhores seleções do continente que já foi, nas palavras de Pelé, o futuro do futebol.

Pode não ser o futuro, mas é o presente. A Copa da África incomoda. Incomoda os europeus, que contam com africanos aos montes em suas equipes. Incomoda a UEFA, entidade com até mais poder que a Fifa em muitas vezes. Incomoda o natimorto G-14.

Incomoda porque em plena temporada, a quatro semanas das oitavas da Champions League e com as Ligas Nacionais Européias pegando fogo, eles tiram durante um mês alguns dos principais craques do futebol europeu.

Se a Copa América acaba com as férias de alguns mimados atletas como Kaká e Ronaldinho, a Copa da África mexe no bolso dos times. Drogba, Essien, Sissoko, Kanouté, Eto’o, para ficar apenas em cinco, desfalcam suas equipes.

A Liga francesa, primeira parada da maioria dos bons jogadores africanos, perde nada menos do que 25 atletas da primeira divisão. É como se o Brasileirão ficasse sem 25 de suas estrelas durante um mês.

Mas a Copa da África sobrevive. Mantém a data pois é a época com clima mais favorável ao jogo de futebol. Jogo que a África adora, que os jogadores são talentosos e que os clubes europeus são obrigados a liberar seus atletas pois trata-se de uma competição oficial.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo