Publicidade

Publicidade
27/09/2007 - 11:18

É Oficial! O Brasil apendeu a jogar bola

Compartilhe: Twitter

Eu estava cauteloso em relação ao oba-oba Pan-Americanos 2007 em volta da seleção feminina de futebol. Ganhamos de seleções menores e as norte-americanas eram sub-19.

Pois agora, pro diabo!

A gente sabe jogar bola também entre as mulheers. É claro que podemos perder no domingo a final para a Alemanha, pois é um jogo de futebol, ainda que feminino, e as alemãs são muito boas. Mas nesta quinta-feira tivemos a maior vitória deste time em todos os tempos. Uma vitória que não é por acidente. Uma vitória que consolida a modalidade no país.

4 x 0 numa semifinal de Copa do Mundo não é pouca coisa. Contra quem leva o futebol feminino a sério como as norte-americanas, então, nem se fala.

Isso, por favor, sem cair no lugar comum de que nossas meninas sofrem dificuldades e que o futebol feminino no Brasil não é levado a sério e blablabla.

Será levado a sério e ganhará mais adeptos tantos mais forem as apresentações como a desta quinta. Mais atrairá patrocinadores (e não empresários com pena). Mais graça tiver em campo e mais Ligas terá (e não campeonatos forçados para fazer média).

Não se pode achar que tem que por caridade reforçar o esporte no país. O esporte é que precisa se reforçar, gerar interesse. A culpa não é da mídia ou das empresas.

De hoje até domingo você vai ouvir um milhão de vezes que estas meninas são heroínas, porque superam as dificuldades, jogam sem estrutura, sem mídia, sem apoio e um monte de palavra bonita para fazer a gente chorar.

Mas o negócio é outro. Dificuldade todos nós temos. O Brasil aprendeu a jogar bola. E de cara ensinou um pouquinho para quem eram as professoras. Em campo, mostrou que pode. Em campo, vai desenvolver o esporte.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

6 comentários para “É Oficial! O Brasil apendeu a jogar bola”

  1. fernando cachucho disse:

    Se entendi direito o negócio é se você não presta para fazer alguma continue tentando. O dia que você souber fazer alguma então eu te patrocino. Se o esporte em Cuba esperasse por isso eles não seriam potência mundial.

  2. Arnaldo disse:

    Rídiculo esse post… o Brasil do Futebol feminino desenvolve um bola redondissima, já por muito tempo e mesmo assim não angariava recursos suficientes, dos quais o Futebol masculino consegue sem sequer ter alguma resultados por anos e anos a fio. Veja o caso da Seleção Brasileira de Futebol Masculino, que levou 28 anos para ganhar a primeira Copa do Mundo. Claro que o período entre Guerras esta incluso, mas temos nenhuma garantia que o Brasil faturaria aqueles mundiais, e dentro dessa perspectiva mesmo assim recebeu incentivo mesmo na sua incipiente trajetória. E mesmo depois de ter ficado 24 anos sem título ainda posava de ser uma das melhores. Enquanto isso nossas meninas que pouco foram acolhidas pela população, estão prestes a vencer o primeiro mundial em apenas 16 anos de existência do torneio!!!!!!

  3. Marcio disse:

    E isso ai!!!! Temos que parar de falar que as americanas são as melhores!!! Se tivessemos mais empresas patrocinando o esporte no brasil seriamos uma potencia no planeta.

  4. Leandro Bittar disse:

    Olá, faz tempo que não posto nada aqui. Concordo plenamente com o Maurício Teixeira. As meninas precisam conquistar este espaço com os patrocinadores. Mas acho também que falta organização entre os dirigentes…
    PS – Maurício, vc escreveu apendeu no título!

  5. Jhonatan disse:

    Se elas fossem campeãs, a CBF poderia dar uma boa parte de dinheiro pras jogadoras e tecnicos,medicos do time,etc..e fazer um campeonato de alto nivel no Brasil,pq tem varias jogadoras otimas no futebol brasileiro

  6. Motahead disse:

    Maurício, tu és um %!@$&@#, mesmo. Isso não se pode negar. Um %!@$&@#baba ovo de europeu (‘as vezes até imagino se não rola um jabazinho por fora). E, finalmente, depois daquele drible e gol maravilhoso da Marta , você fala (e bem) do futebol feminino.
    Continuas sendo um grande %!@$&@#- mas devo admitir que passou a feder um pouco menos.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo