Publicidade

Publicidade
14/07/2004 - 15:13

Compartilhe: Twitter

Brasileirão 2004 – 15 rodadas depois

por Carlos Sperandio Jr

Nada como um bom e velho drops para analisar a tábua de classificação após 32,6% (15/46 rodadas) do campeonato ter passado. Admire-a:


Fonte: UOL

Gostaria de comentar dois jogos em especial e um pouco de numerologia.

SANTOS 2 x 0 FLAMENGO. O time da vila enfim se adequou ao esquema do técnico Vanderlei Luxemburgo. Sete vitórias consecutivas é um feito notável sempre, neste caso, bem recompensado com a liderança isolada do certame. A última derrota data de 23 de maio, no humilhante 4 a 0 imposto pelo Palmeiras em plena Vila Belmiro. Desde então foram vítimas do Peixe o Vitória (fora), o Inter (em casa), o Guarani (em casa), o Corinthians e a Ponte Preta (fora), o São Paulo (em casa e no último minuto) e, finalmente, o Flamengo (em casa). Sem dúvida, o Santos conseguiu se credenciar para o rol dos candidatos ao título desse ano. Próximas partidas: Fluminense no Maraca e Criciúma na Vila. Mais seis pontos? Provável…

Ao Flamengo resta rezar. Talvez o time consiga achar um lampejo de futebol num desses heróis cariocas, como o Vasco que ressurgiu com o Petkovic e, mais do que todos, o Botafogo com o sempre artilheiro Luizão. A diferença destas andorinhas, astros únicos dos verões cariocas, para o urubu rubro-negro é que Felipe não conclui como Luizão conclui e não tem quem colocar no gol e jogar em sua função como Petkovic tem. Após um amargo vice da Copa do Brasil, o mais querido tem que torcer para reencontrar seu caminho e não cair de divisão.

ATLÉTICO-PR 6 x 0 GOIÁS. Depois de um longo e tenebroso período de anedonia, voltei a Arena da Baixada para rever o meu time do coração, o Furacão, no 0 a 0 com o Palmeiras no último sábado. A paixão voltou, apesar do jogo ter sido de placar fechado e muito disputado na defesa. Embora ressabiado, acompanhei no rádio a ruidosa vitória de 6 a 0 sobre o Goiás. O placar elástico também credenciou o rubro-negro paranaense a disputa do caneco. Mesmo sem Adriano – recém contratado pelo Cruzeiro – o time ainda conta com um time extremamente ofensivo (Washington, Ilan e Dagoberto- todos seleção brasileira), sendo municiado pelos bons meias Fernandinho (seleção sub-23) e Jádson (dito e visto por muitos como craque). Próximos jogos do Furacão: Inter (fora) e Fluminense (casa).

O Goiás vinha bem até tentar enfrentar de igual um time obcecado pela vitória e viciado em contra-ataque. A 9ª posição parece caber bem ao time de Tite. Apesar de ter vencido apenas uma vez menos que seus concorrentes diretos (2º ao 8º lugares), o elenco goiano perdeu 4 e empatou 5, apresentando um saldo de zero. Próximos confrontos: Guarani (casa) e Altético-MG (fora).

VITÓRIAS, SALDOS DE GOLS, ATAQUES E DEFESAS. Sempre gostei de analisar a tábua de classificação tentando ler nas entrelinhas as justificativas dos porquês de alguns quês.

O Santos, por exemplo, abriu vantagem em relação aos seus concorrentes por ter 9 vitórias contra 7 do grupo composto do 2º ao 8º lugares. São duas vitórias a mais neste importante quesito que não só demonstra ofensividade, como também é o primeiro critério de desempate.

Por falar em critérios de desempate, uma olhada nos times da ponta da tabela (superior e inferior) nos mostra mesmo que não tem justificativa: futebol é conjunto.

Melhor defesa – Figueira – 11 gols sofridos – 3ª posição.
Melhor ataque – Santos – 29 gols – Líder.
Melhor saldo – Palmeiras – 16 gols – 2º lugar.
Pior saldo – Corinthians – (-11) – 16º lugar.
Pior ataque – Guarani – 13 gols – 20º lugar

E tem gente que acha ruim que tem Brasileirão até o Natal.

[]´s

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo