Publicidade

Publicidade

Arquivo de julho, 2004

26/07/2004 - 19:35

Compartilhe: Twitter

Depois da euforia

por Mauricio Teixeira

Julio César – um dos melhores da campanha. Um bom goleiro. Se não tiver problemas de relacionamento (Ronaldo-Suzana-Julio César é uma situação incômoda, não dá pra negar), deve ser o terceiro goleiro da Copa do Mundo.

Mancini – não foi bem quando teve sua grande chance. Na minha opinião, foi o que mais se complicou. Sorte que ainda é jovem.

Maicon – teve uma Copa América média, ainda que melhor que a de Mancini. Mas é uma posição complicada. O titular é Cafu. Beletti agora volta a ser lateral genuíno 4-4-2 no Barça e com isso deve ser a segunda opção de Parreira.

Juan – o novo titular da seleção principal. Talvez o único da Copa América a conseguir emplacar entre ‘os fenômenos’.

Luisão – deve ganhar uma vaga no grupo com Juan, Roque Junior e Lucio. Edmilson é o volante.

Bordon, Cris e Adriano – não devem voltar tão cedo ao time principal. Os dois primeiros só em caso de contusão. O Adriano é uma aposta para 2010.

Gustavo Nery – Fez uma excelente Copa América. Acho que temos um novo reserva para Roberto Carlos. Júnior não está jogando nada há tempos e ninguém merece mais do que ele.

Renato – Eu não gostava muito quando ele entrava na posição do Kleberson e do Juninho Pernambucano. De primeiro volante, foi um pouco melhor. Mas mesmo assim, não acho que tenha a competência de ficar no grupo principal. Sou mais Gilberto Silva e Edmílson.

Kleberson – não foi mal, mas ainda é muito pouco para um pentacampeão. Está na corda bamba. Mantém o status de membro do grupo, mas precisa se cuidar. Se não fizer uma segunda temporada melhor no Manchester, não vai ser chegando 2 dias antes dos jogos das Eliminatórias que vai conseguir reverter sua condição. Na minha cabeça, hoje estaria fora dos 23 da Copa.

Dudu Cearense – atleta para 2010. Bom jogador, com cara de seleção. Não volta mais este ano para o time.

Julio Batista – tinha todas as chances de se firmar no Peru. Não conseguiu. É um jogador diferenciado, mas que não tem pinta de sair jogando mesmo. Parreira deve mantê-lo no grupo para quando precisar de força física, presença na área, fôlego extra e uma chegada de trás.

Edu – acho até que ele fez uma Copa mediana. Acho também que o Parreira deve mantê-lo no grupo das Eliminatórias. Eu não vejo nada nele e por mim não chamaria mais.

Diego – se tivesse que escolher um jogador para simbolizar a Copa América brasileira, escolheria o Diego. Como o próprio Parreira disse que era um laboratório, acho que salvamos um dos nossos maiores jogadores surgidos. De uma só vez, o garoto de 19 anos venceu com a seleção depois do fracasso olímpico, vingou-se do Tevez pela derrota do Santos, mostrou ao Parreira que não pipoca e ainda cobrou um pênalti que muito marmanjo não teve coragem para fazê-lo. Sem contar que em todos os momentos que esteve em campo, jamais fugiu do jogo, criando inclusive a jogada do gol de Adriano.

Felipe – apagado, apático, cansado. Acho que o Felipe não cabe na Seleção do Parreira para as Eliminatórias. Ficou devendo e muito. Deve ser ruim para um jogador participar de times tão fracos como o Flamengo. Você acaba pouco exigido, nivelando por baixo. Para conseguir lugar ao sol com’os fenômenos’, Felipe precisa jogar para o time 90 minutos e 100%.

Alex – é o craque do time que foi ao Peru. Foi decisivo e é sem dúvida o principal reserva da Seleção Brasileira principal.

Vagner Love e Ricardo Oliveira – estes não devem voltar ao time. Vagner Love, muito novo, se tiver cabeça lá no leste europeu, tem chances de ter novas oportunidades para 2010.

Luis Fabiano – jogou melhor do que eu esperava. Manteve a cabeça no lugar mesmo sem marcar gols. Foi também muito mais escudeiro do que matador, que é exatamente o que uma seleção precisa quando se tem Ronaldo. Mesmo assim, corre o risco de perder a vaga para um atacante mais rápido e que jogue mais pelas pontas, do tipo do Denílson ou do Robinho.

Adriano – o matador é o reserva oficial de Ronaldo. Não tem como negar que sua força é incrível. Um centroavante dos bons como nos velhos tempos.

Parreira – ele foi mais Zagallo do que Parreira na Copa América. Não teve o time na mão como gosta e insiste em tentar fazer o time reserva jogar igual ao titular. Mas fez vários testes importantes, substituições mais ousadas e mostrou que também tem sangue correndo nas veias. Gostei da atitute mas não da parte tática. Bastante anormal em se tratando de Parreira.

Zagallo – ele é o homem!

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
25/07/2004 - 19:46

Compartilhe: Twitter

HAHAHAHAHAHAHA

Mauricio Teixeira

Alegria pouca é bobagem. Até com o time reserva. O menos habilidoso dos times argentinos dos últimos 10 anos querendo passar o pé por cima da bola. tsc tsc tsc. O Veron, o Aimar e mesmo o Maradona nunca fizeram isso. Tevez? Se liga, muchacho!

HAHAHAHAHAHAHA

Copa América é troco. Mas pra Argentina bem que servia. Ficamos até com o troco!

HAHAHAHAHAHA

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
23/07/2004 - 11:15

Compartilhe: Twitter

Três toques

por Maurício Teixeira

– A velha ordem do futebol disputa a final da Copa América no domingo. Dou o braço a torcer – a copinha foi sensacional. E a final vai ser linda. Pior pra Argentina, que vai enfrentar nosso time de bebuns. Calma lá! Ninguém me processe, eu explico. Se nosso time reserva perder da Argentina, los hermanos não fizeram mais que a obrigação. Normal. Se ganhar… nossa, que delícia. Vamos tripudiá-los. Vamos ver o Bielsa na rua. Buenos Aires em pânico. A Argentina vai brigar com bêbado domingo! E conclamo a todos entrar no espírito. Em tempo. Torça com moderação!

– Enquanto isso, devo confessar, vivo quatro expectativas que me tiram o sono. A primeira é pessoal – melhor não comentar. A segunda, os Jogos Olímpicos (adoro Olimpíada mesmo sem futebol brasileiro. Quem quiser conferir, aliás, tenho uma coluna sobre isso no iG. CLIQUE PARA LER). A terceira expectativa é com a temporada européia que está por começar (aguardem o Barça). É o meu fraco, todo mundo sabe. E a última e não menos importante, o Brasileirão que vai pegar fogo a partir de agosto finalmente.

– Recebemos a segunda edição da Revista 10. Está melhor que a primeira. Cafu (número 2) na capa, matérias com jogadores da Copa de 1930, fotos excelentes de Antonio Gaudério sobre o tetra e até o futebol no Vaticano. Imperdível!

– toque ps.: Tenho que dar o braço a torcer também para a campanha publicitária da cerveja Quilmes para a Seleção Argentina. Eles pegam grandes gols argentinos em Copas na narração de locutores dos países adversários. Só vendo para crer.
CLIQUE PARA VER

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
19/07/2004 - 19:09

Compartilhe: Twitter

Final de Semana Futebolístico

por Carlos Sperandio Jr

Um set a um. O seis zero que aplicou no Goiás na rodada anterior voltou em forma de castigo para o Atlético Paranaense. Méritos ao Internacional que continua com um time forte, concorrente direto a uma das vagas a Libertadores, como no ano passado. O Furacão, que tomou sua maior saraivada na história de nacionais, precisa começar a pensar no significado desta ciclotímica alternância de bons e maus momentos: o que acontece?

*****

Direto de Portugal chega às nossas telas imagens dignas de torcida x polícia x descaso. A narração do canal donde vi o lance foi perfeita e a transcrevo aqui: ‘torcedor entra em campo para manifestação pacífica quando é alcançado por quatro policiais e agredido já no chão. Vendo tal covarde cena, outros torcedores invadem o campo e agridem os policiais, que tiveram que sair de campo escoltados pelos jogadores do time da casa.’ MeuDeusdocéu. Grande lição ao poder público mal utilizado.

*****

Apesar de muitos não acreditarem, o Flamengo continua ruindo. Mais uma derrota e, desta vez, pelo menos, mudanças ocorreram. Abelão deixou o cargo e o clube acabou de anunciar a contratação do artilheiro Dimba por dois anos. Se Júlio César continuar jogando o que está na seleção, e se Dimba vier empolgado, e se Felipe permanecer na Gávea, e se o novo treinador tiver estrela e se os urubus rubro-negros voltarem a ser somente símbolos aí sim acredito na permanência do Mengo na 1ªona. Senão, não.

*****

E o Santos caiu. Essa é a graça do futebol. Quando tudo parece sem graça vem algum ‘sobrenatural de Almeida’ e torna a rotina engraçada. O peixe da vez agora é o Porco.

*****

Quem diria que o Paraguai, nosso carrasco, iria sucumbir para o já há anos morto Uruguai? Nem venham com treta, o jogo de quarta é nosso sem pios. Se alguém ousar dizer que é ‘clássico’ já tá abusando. Igual pra igual nunca, nem com a nossa 5ª seleção deveríamos ter dificuldade. Mãããs…

[]´s

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
19/07/2004 - 00:55

Compartilhe: Twitter

Nova velha ordem

por Mauricio Teixeira

Agora eu fiquei meio confuso. Brasil, Argentina, Uruguai e Colômbia na semifinal da Copa América é a nova ou a velha ‘ordem’ do futebol mundial? Ou a nova velha ordem? Ou a velha nova ordem? Sei lá..

E é só por hoje.

Quer dizer. Tem mais uma coisinha.

Me parece que o Luis Fabiano está sendo mais inteligente (e olha que não é mole) nesta Copa América. Ele é o único da dupla de ataque que tenta passar em vez de fazer. O Adriano segue sendo o trator-rompedor (como o é o próprio Luis Fabiano).

Mããããs.. se você parar para pensar, Ronaldo não sai do time nem por decreto. Ele é o maior do mundo e o matador, além do moral. Quem souber serví-lo melhor, pode ganhar uma vaga no segundo tempo, quando Kaká ou Zé Roberto não estiverem bem ou ainda se o Brasil estiver perdendo. Se for consciente, muito esperto este Luis Fabiano!

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
15/07/2004 - 15:33

Compartilhe: Twitter

Brasileirão 2004 – Parte II – Público

por Carlos Sperandio Jr

Até a 14ª rodada o público, segundo o site oficial da CBF, era esse. Como na numerologia que citei no post anterior, nota-se também uma íntima relação de público x desempenho de cada time. Exceções são o Corinthians de sua Fiel, o Papão do Mangueirão e o Flamengo da… da… segunda divisão???


Fonte: CBF

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
14/07/2004 - 15:13

Compartilhe: Twitter

Brasileirão 2004 – 15 rodadas depois

por Carlos Sperandio Jr

Nada como um bom e velho drops para analisar a tábua de classificação após 32,6% (15/46 rodadas) do campeonato ter passado. Admire-a:


Fonte: UOL

Gostaria de comentar dois jogos em especial e um pouco de numerologia.

SANTOS 2 x 0 FLAMENGO. O time da vila enfim se adequou ao esquema do técnico Vanderlei Luxemburgo. Sete vitórias consecutivas é um feito notável sempre, neste caso, bem recompensado com a liderança isolada do certame. A última derrota data de 23 de maio, no humilhante 4 a 0 imposto pelo Palmeiras em plena Vila Belmiro. Desde então foram vítimas do Peixe o Vitória (fora), o Inter (em casa), o Guarani (em casa), o Corinthians e a Ponte Preta (fora), o São Paulo (em casa e no último minuto) e, finalmente, o Flamengo (em casa). Sem dúvida, o Santos conseguiu se credenciar para o rol dos candidatos ao título desse ano. Próximas partidas: Fluminense no Maraca e Criciúma na Vila. Mais seis pontos? Provável…

Ao Flamengo resta rezar. Talvez o time consiga achar um lampejo de futebol num desses heróis cariocas, como o Vasco que ressurgiu com o Petkovic e, mais do que todos, o Botafogo com o sempre artilheiro Luizão. A diferença destas andorinhas, astros únicos dos verões cariocas, para o urubu rubro-negro é que Felipe não conclui como Luizão conclui e não tem quem colocar no gol e jogar em sua função como Petkovic tem. Após um amargo vice da Copa do Brasil, o mais querido tem que torcer para reencontrar seu caminho e não cair de divisão.

ATLÉTICO-PR 6 x 0 GOIÁS. Depois de um longo e tenebroso período de anedonia, voltei a Arena da Baixada para rever o meu time do coração, o Furacão, no 0 a 0 com o Palmeiras no último sábado. A paixão voltou, apesar do jogo ter sido de placar fechado e muito disputado na defesa. Embora ressabiado, acompanhei no rádio a ruidosa vitória de 6 a 0 sobre o Goiás. O placar elástico também credenciou o rubro-negro paranaense a disputa do caneco. Mesmo sem Adriano – recém contratado pelo Cruzeiro – o time ainda conta com um time extremamente ofensivo (Washington, Ilan e Dagoberto- todos seleção brasileira), sendo municiado pelos bons meias Fernandinho (seleção sub-23) e Jádson (dito e visto por muitos como craque). Próximos jogos do Furacão: Inter (fora) e Fluminense (casa).

O Goiás vinha bem até tentar enfrentar de igual um time obcecado pela vitória e viciado em contra-ataque. A 9ª posição parece caber bem ao time de Tite. Apesar de ter vencido apenas uma vez menos que seus concorrentes diretos (2º ao 8º lugares), o elenco goiano perdeu 4 e empatou 5, apresentando um saldo de zero. Próximos confrontos: Guarani (casa) e Altético-MG (fora).

VITÓRIAS, SALDOS DE GOLS, ATAQUES E DEFESAS. Sempre gostei de analisar a tábua de classificação tentando ler nas entrelinhas as justificativas dos porquês de alguns quês.

O Santos, por exemplo, abriu vantagem em relação aos seus concorrentes por ter 9 vitórias contra 7 do grupo composto do 2º ao 8º lugares. São duas vitórias a mais neste importante quesito que não só demonstra ofensividade, como também é o primeiro critério de desempate.

Por falar em critérios de desempate, uma olhada nos times da ponta da tabela (superior e inferior) nos mostra mesmo que não tem justificativa: futebol é conjunto.

Melhor defesa – Figueira – 11 gols sofridos – 3ª posição.
Melhor ataque – Santos – 29 gols – Líder.
Melhor saldo – Palmeiras – 16 gols – 2º lugar.
Pior saldo – Corinthians – (-11) – 16º lugar.
Pior ataque – Guarani – 13 gols – 20º lugar

E tem gente que acha ruim que tem Brasileirão até o Natal.

[]´s

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
12/07/2004 - 18:36

Compartilhe: Twitter

Pelé Eterno

Um comentário de quem não entende de futebol, assiste meio desatenta alguns jogos do Brasil, mas chora nas finais de copa do mundo.

por Maria Melo

Talento, obstinação e um profundo amor. São as mensagens que esta vida documentada neste filme me passam. Ah, deixo bem claro que também não entendo de técnicas cinematográficas embora ame o cinema.

O que é aquilo? Que energia é esta emanada por aquele jovem, que vestiu a camisa do talento e da perfeição num exercício diário incansável de aprimoramento da arte.
É uma vida dirigida ao polimento dos gestos, dos toques, dos acabamentos, é um estudo detalhado e sem tréguas, sem atalhos por qualquer tipo de sedução que o possa desviar de seu foco. É afinal um perfeito domínio do corpo, do instrumento (bola), do todo, uma visão ampliada, global do universo do campo e de todos aqueles que passam por ele.

Este domínio nada mais é do que um equilíbrio mental que resulta nesta atitude impecável que se atinge com um tremendo esforço. O esforço da constância, da busca da técnica e do belo.

Se fosse na música, ele teria composto vastas sinfonias (o próprio filme faz uma alusão visual a este respeito), se fosse um escritor, passaria sua vida sentado, horas a fio, polindo seus textos; se fosse um cientista acabaria adormecendo dentro do laboratório para não largar o fio da meada de suas descobertas.

Caráter. Esta qualidade salta naturalmente no decorrer destas considerações. Caráter se aprende? Talento já nasce pronto ou é conquistado? Em Harvard o pedagogo Howard Gardner defende que o ser humano se enquadra nas 8 inteligências, entre elas a lógica matemática, a lingüística, a musical, a espacial,etc.etc….não se fala mais em QI.

No caso do Pelé, como educadora percebo um fantástico desenvolvimento das inteligências espacial, sinestésica, emocional racionalmente controladas pelo equilíbrio entre um caráter de fibra, uma vontade inabalável e uma aplicação devotada e incansável na qualidade da arte, na forma física , na coreografia, e claro não poderia deixar de citar, um profundo amor que podemos ver na comemoração de cada gol conquistado. Uma nova molécula descoberta, uma resolução para a forma de uma escultura, aquela rima que tanto buscava para concretizar o poema. A curva certa da ponte para a beleza arquitetônica. Equilíbrio!

O Brasil precisava deste registro.
Obrigada Pelé

ps do Blog de Bola: Maria Melo é uma leitora de longa data. Fiel e muito especial…

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
09/07/2004 - 13:03

Compartilhe: Twitter

Uma seleção para cada jogador

por Mauricio Teixeira

Cada dia que passa eu acredito que no futebol (assim como em qualquer empresa), você precisa explorar a individualidade de cada atleta (funcionário). Esquema tático é o melhor exemplo. 3-5-2 / 4-4-2 / 4-5-1… cada vez acho mais besteira essas continhas, como se o futebol fosse um pebolim.

Está na cara que o melhor esquema tático é o que melhor tem capacidade de usar as capacidades técnicas de cada um. Veja a seleção brasileira. O esquema 4-3-3 do Parreira é excepcional com o time titular. Ronaldo Fenômeno é o melhor do mundo e sabe onde precisa ficar. Lá na frente. Quase nunca volta para buscar jogo e sempre mantém 2 ou 3 com ele, seja na esquerda, seja na direita. Só esperando o lançamento para partir para o gol ou fazer tabela.

Kaká e Ronaldinho Gaúcho são outros dois fenômenos. Chutam bem, passam bem, se movimentam muito, jogam sem bola, chegam na frente e ainda dão um primeiro combate eficaz e inteligente. Juninho Pernambucano é o mais habilidoso volante do mundo, assim como Cafu e Roberto Carlos, que têm o fôlego necessário de quem é zagueiro na defesa e ala no ataque (coisa que poucos laterais do mundo conseguem – lembrem da Eurocopa).

Ou seja, os jogadores caem como uma luva. Parece que o esquema foi inventado para quem tem jogadores neste nível. O próprio Zé Roberto, que dá cobertura ao Roberto Carlos, aparece para receber quando os craques estão bem marcados e ainda chega no ataque quase como que um elemento surpresa, não tem similar (talvez o Ricardinho em forma).

Na seleção de ontem, tudo se inverteu. Menos o maldito esquema. O trio da frente era Alex, Luis Fabiano e Adriano. Não precisa ser gênio para descobrir que o trio com estas peças fica capenga, quase inoperante. Os dois ‘9’ voltam para receber embolando o meio e Alex fica sem o que fazer.

Ao mesmo tempo, Renato e Edu não têm a qualidade da dupla original. Não que eles não tenham seu valor. Mas o valor deles com certeza não é ser o clone de Juninho e Zé Roberto. E os laterais, também muito bons de bola, não podem imitar Cafu e Roberto. Impossível!

Resultado. O time só melhorou quando Parreira respeitou os jogadores que tem e mudou o esquema. Lógico. O time virou um 4-4-2 com as entradas de Ricardo Oliveira e Diego. Alex ganhou um amigo no meio para conversar, Luis Fabiano ganhou um escudeiro no ataque e foi ser o único e genuíno 9. Edu e RenatO largaram mão de ‘armar o time’ e foram fazer o que sabem melhor, tocar de lado e cobrir a subida dos laterais. Mancini (Maicon) e Gustavo Nery finalmente tocaram na bola.

E assim caminhou a seleção!

Concordo que o Parreira precisa testar os jogadores no esquema. Mas tem que ser peça por peça no time titular. Uma coisa é você colocar só o Luis Fabiano no lugar do Ronaldo. Ou colocar o Alex só no lugar do Kaká. Ou testar só o Ricardinho no lugar do Zé Roberto. Outra é tirar os 11. Se for para fazer isso, precisa ter um novo esquema de jogo!

Ps: escrevi tudo isso e esqueci do mais importante. Que jogo mais chato, não?

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
05/07/2004 - 13:49

Compartilhe: Twitter

Zebra sim! Mudança de ordem, não!

por Mauricio Teixeira

Quase 10 dias sem atualizar. Um pequeno período deste e o futebol mundial dá tantas reviravoltas. Eu ainda não compartilho da ‘nova ordem do futebol mundial’ como gostam os analistas. Acho apenas que a ordem de sempre do futebol mundial está sem inspiração. Um alvo fácil.

Fora o São Caetano e a Seleção Norte-Americana de futebol, não acho que uma zebra mereceu entrar no grupo dos grandes do futebol. É só você pensar que nos últimos 10 anos, Turquia, Nigéria, Camarões, Colômbia, Coréia do Sul, Paysandu, Brasiliense e tantos outros revezaram em importantes postos.

Defendo minhas duas exceções. O São Caetano é uma ‘zebra’ há 5 anos. Já perdeu muito e ganhou muito pouco, mas está sempre lá. Ao contrário da Grécia no começo da Eurocopa, o Azulão hoje começa qualquer campeonato como um dos favoritos.

Os Estados Unidos vêm crescendo com consistência Copa a Copa desde o Mundial de 1994. Enfrentar o Tio Sam hoje, que tem um estilo de futebol próprio, é tão difícil quanto jogar com Itália ou Inglaterra. E, minha opinião, mais difícil do que ganhar de Holanda ou Espanha.

De qualquer forma, entrando ou não para a turma dos gigantes, é sempre bom ver o Once Caldas, o Santo André, a Grécia e tantos outros aparecendo do nada rumo ao estrelato. Faz do futebol o esporte mais delicioso de todos…

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
Voltar ao topo