Publicidade

Publicidade
18/06/2003 - 12:33

Compartilhe: Twitter

Bernardinho

Por Carlos Sperandio Jr

Treinar. V.t.d. Tornar apto, destro, capaz, para determinada tarefa ou atividade; habilitar, adestrar; exercitar-se para jogos desportivos, ou para outros fins.

Ser treinador no Brasil é ter carreira garantida. Não é preciso vestibular, nem grandes vocações. Se você for ex-jogador ou comentarista afiado ajuda bastante, mas não se surpreenda se você conhecer técnicos de futebol que começaram como médicos ou delegados.

Em um país de pagodeiros e jogadores de futebol, o que parece limitar o aumento exponencial dessa profissão é o fato de que não existe enganador que dure num banco de reservas. Bobeou, por erro próprio ou por tropeço dos seus subalternos, pagou o pato: r-u-a.

Neste campo profissional cativante, sobressai um treinador em especial. Um homem que foi capaz de ganhar em categorias diferentes com equipes diversas. Seu nome: Bernardinho.

Ganhar no voleibol masculino e no feminino tem tanto valor quanto ganhar no pólo aquático e no tênis de mesa. Mostra qualidade de treinar. Conhecer os fundamentos do que se tenta habilitar uma equipe ajuda, mas não é o essencial. A alma do negócio chama-se motivação.

Queria muito ver Bernardinho comandando uma equipe de futebol. Estrategistas, estudiosos e simpatizantes seriam todos colocados no bolso. Com meia dúzia de auxiliares técnicos, Bernardo poderia demonstrar como se transforma um jogador de futebol num atleta, condicionado a vencer.

No atual campeonato brasileiro apenas dois treinadores me lembram o estilo Bernardinho de cativar uma equipe: Geninho e Bonamigo. Palmas para o último, que vem fazendo milagre com um elenco considerado limitado como o do Coritiba.

[]´s

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo